ATUAÇÃO DOCENTE E ORALIDADE NAS ASSEMBLEIAS ESCOLARES ESTUDANTIS

Roksyvan de Paiva SILVA, Joseval dos Reis MIRANDA

Resumo


Embora alunos cheguem à escola sabendo falar português, são diferentes as condições de produção oral de textos situados em campos da vida pública e da vida privada, familiar ou íntima. Por lhes serem estranhas ou novas, à escola cabe desenvolver as competências discursivas do campo da vida pública, que coincidem com a formação do cidadão. A pesquisa buscou analisar formas de intervenção pedagógica que estimulam a oralidade de alunos reunidos em assembleia escolar estudantil. Participaram estudantes de sétimo ano do Ensino Fundamental de uma escola pública de João Pessoa, PB. De natureza qualitativa e cunho interventivo, o estudo se baseou, em relação ao conceito de trabalho, nas obras de Freinet (1998) e Lukács (1969, 2018); em relação ao funcionamento das assembleias, nas obras de Freinet (1973), Puig et al. (2000) e Araújo (2004); e, em relação aos gêneros discursivos, nas obras de Bakhtin (2010) e Volochínov (2010). Os dados foram gerados pela observação participante e por gravações em áudio das assembleias e rodas de conversa realizadas. Como resultado final da pesquisa, a análise levou à interpretação de que a atuação docente contribuiu para desenvolver na turma de alunos uma atividade oral autônoma, reflexiva e facilitadora da resolução de conflitos pelo diálogo.

PALAVRAS-CHAVE: Oralidade; Assembleia escolar estudantil; Assembleia de classe.


Texto completo:

PDF

Referências


ABBAGNANO, N. Dicionário de filosofia. Trad. Alfredo Bosi e Ivone C. Benedetti. 5 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

ARAÚJO, U. F. Assembleia escolar: um caminho para a resolução de conflitos. 1ªed. São Paulo: Moderna, 2004. (Coleção cotidiano escolar)

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. 5 ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010, p. 261-306.

BORTONI-RICARDO, S. M. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Base nacional comum curricular. Brasília: MEC/Consed/Undime, 2018. Em pdf, 600 p. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/Acesso em: 4 dez. 2020.

ENGELS, F. A origem da família, da propriedade privada e do estado: em conexão com as pesquisas de Lewis H. Morgan. Trad. Nélio Schneider. São Paulo: Boitempo, 2019.

FERRAREZI JR., C. Pedagogia do silenciamento: a escola brasileira e o ensino de língua materna. São Paulo: Parábola, 2014.

FREINET, C. Para uma escola do povo: guia prático para a organização material, técnica e pedagógica da escola popular. Trad. Arlindo Mota. Lisboa: Presença, 1973.

FREINET, C. A educação pelo trabalho. In: FREINET, C. A educação do trabalho. Trad. Maria Ermantina G. G. Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 1998, p. 315-331.

KANT, I. Ideia de uma história universal com um propósito cosmopolita. Trad. Artur Mourão. [s.l.]: Lusosofia/Biblioteca On-line de Filosofia e Cultura [1784]. Em pdf, 20 p. Disponível em: http://www.lusosofia.net/textos/kant_ideia_de_uma_historia_universal.pdf Acesso em: 24 dez. 2020.

LUKÁCS, G. As bases ontológicas do pensamento e da atividade do homem. Trad. Carlos Nelson Coutinho. [1969] Em pdf, 20 p. Disponível em: http://www.gestaoescolar.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/sem_pedagogica/fev_2009/bases_ontologicas_pensamento_atividade_homem_lukacs.pdf Acesso em: 24 dez. 2020.

LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social I. São Paulo: Boitempo, 2018.

MAQUIAVEL, N. De crudelitate et pietate; et an sit melius amariquam timeri, vel e contra. In: MAQUIAVEL, N. O príncipe. Trad. Mauricio Santana Dias. São Paulo: Penguin Classics; Companhia das Letras, 2010. Cap. XVII, p. 101-104.

MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola, 2008.

MARCUSCHI, L. A. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. 10 ed. São Paulo: Cortez, 2010.

PUIG, J. M.; MARTÍN, X.; ESCARDÍBUL, S.; NOVELLA, A. M. Democracia e participação escolar. Trad. Maria Cristina de Oliveira. São Paulo: Moderna, 2000.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. 2 ed. São Paulo: Cia das Letras, 1995.

SALDAÑA, P. Marx está presente em apenas 4% de disciplinas de pesquisa em filosofia. Folha de S.Paulo. São Paulo, 19 maio 2019. Cotidiano. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2019/05/marx-esta-presente-em-apenas-4-de-disciplinas-de-pesquisa-em-filosofia.shtml?fbclid=IwAR0a0EyRNa5LBj0XyKpDusKLR1KxGar4M7Lr2kFrPsahDQivVpB7Z74JbbI Acesso em: 21 dez. 2019.

SAUSSURE, F. Curso de linguística geral. Trad. Antônio Chelini, José Paulo Paes, Izidoro Blikstein. 27 ed. São Paulo: Cultrix, 2006.

TRIPP, D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 443-466, set./dez. 2005.

VOLOCHÍNOV, V. Marxismo e filosofia da linguagem. Trad. Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. 14 ed. São Paulo: Hucitec, 2010.

O presente trabalho foi realizado com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Brasil (CAPES) – Código de Financiamento 001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


_________________________________________________________________

PROFLETRAS - CFP - UFCG
Todos os direitos reservados®

Siga-nos nas redes sociais: