Estudo microclimático em áreas externas de convivência social do Campus Central da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Autores

  • Letícia Gabriele da Silva Bezerra Universidade do Estado do Rio Grande do Norte/Discente
  • Ana Luiza Bezerra da Costa Saraiva Universidade do Estado do Rio Grande do Norte/Docente
  • Alfredo Marcelo Grigio Universidade do Estado do Rio Grande do Norte/Docente

DOI:

https://doi.org/10.56814/geosertoes.v4i7.1210

Palavras-chave:

Microclima urbano, Semiárido, Arborização

Resumo

A arborização urbana é de suma importância para áreas semiáridas, pois pode contribuir para condições termohigrométricas que propocionem conforto térmico para população. Considerando esta realidade, foi realizado um estudo microclimático na cidade de Mossoró, nas áreas externas de convivência social do Campus Central da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) durante o período climático mais quente e seco do município com o objetivo de comparar os dados climáticos em três áreas com padrões distintos de arborização. Foram coletados dados de temperatura do ar, umidade relativa do ar e temperatura da superfície do solo. Posteriormente, foi utilizado o Índice de Calor. As amplitudes térmicas variaram entre 4,6 ºC às 12h e 13h e 1,4 ºC às 16h. Já as amplitudes higrométricas variaram entre 0% às 11h e 8,8% às 14h, sendo que os pontos mais arborizados registraram as menores temperaturas do ar e maiores teores de umidade. As menores temperaturas superficiais do solo, bem como os valores do Índice de Calor foram registradas no ponto mais sombreado. Estes resultados demonstraram o quão importante é a arborização para amenizar as temperaturas, aumentar os teores de umidade relativa do ar e reduzir os Índices de Calor nas áreas externas de convivência social da UERN.

Biografia do Autor

  • Letícia Gabriele da Silva Bezerra, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte/Discente
    Graduada no curso de bacharelado em Gestão Ambiental da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte
  • Ana Luiza Bezerra da Costa Saraiva, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte/Docente
    Mestra em Geografia pela Universidade Federal do Espírito Santo e professora do Departamento de Geografia do Campus Avançado Prefeito Walter de Sá Leitão da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte
  • Alfredo Marcelo Grigio, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte/Docente
    Doutor em Geodinâmica pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte e professor Adjunto IV do Departamento de Gestão Ambiental do Campus Central da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Referências

ABREU, Loyde Vieira de. Avaliação da escala de influência da arborização no microclima por diferentes espécies arbóreas. 2008. 154 f. Dissertação (Pós-Graduação em Engenharia Civil) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

ALBURQUEQUE, Marcos Machado de; LOPES, Wilza Gomes Reis. Influência da arborização em variáveis climáticas: estudo em bairros da cidade de Teresina, Piauí. RAEGA – O espaço geográfico em análise, Paraná, v.36, p.38-68, 2016.

ARAUJO, Amanda da Mota. Arborização e conforto térmico humano: um estudo de caso em três praças públicas do centro urbano de Mossoró/RN. 2017. 61 f. Monografia (Bacharelado em Gestão Ambiental) – Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró, 2017.

ARAUJO, Amanda da Mota; SARAIVA, Ana Luiza Bezerra da Costa; GRIGIO, Alfredo Marcelo. Conforto térmico humano: um estudo de caso em três Praças públicas do bairro centro, Mossoró (RN). Revista GeoInterações, Assú, v.1, n.2, p.31-50, jul./dez. 2017.

BEZERRA, Letícia Gabriele da Silva. Análise microclimática das áreas de convivência do Campus Central da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte – episódio de primavera. 2019. 85 f. Monografia (Bacharelado em Gestão Ambiental) – Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró, 2019.

CENTRO DE GERENCIAMENTO DE EMERGÊNCIAS. Umidade relativa do ar. São Paulo: CGESP, 2012. Disponível em: https://www.cgesp.org/v3/umidade-relativa-do-ar.jsp. Acesso em: 28 jan. 2019.

CENTRO DE PREVISÕES DE TEMPO E ESTUDOS CLIMÁTICOS. Mossoró/RN. Brasil: CPTEC, 2018. Disponível em: https://www.cptec.inpe.br/previsao-tempo/rn/mossoro. Acesso em: 23 nov. 2018.

GARTLAND, Lisa. Ilhas de calor: como mitigar zonas de calor em áreas urbanas. São Paulo: Oficina de textos, 2010.

GOOGLE EARTH. Google Earth. Brasil: Google Earth, 2018. Disponível em: https://earth.google.com/web/. Acesso em: 03 jan. 2019.

LABAKI, Lucila Chebel et al. arborização e conforto térmico em espaços urbanos abertos. Fórum Patrimônio: Ambiente Construído e Patrimônio Sustentável, Belo Horizonte, v. 4, n. 1, p. 23-42, 2011.

LAMBERTS, Roberto et al. Conforto e stress térmico. Santa Catarina: LabEES/UFSC, 2011.

MENDONÇA, Francisco; DANNI-OLIVEIRA, Inês Moresco. Climatologia: noções básicas e climas do Brasil. São Paulo: Oficina de textos, 2007.

MONTEIRO, Carlos Augusto de Figueiredo. Teoria e clima urbano. In: MENDONÇA, Francisco; MONTEIRO, Carlos Augusto de Figueiredo. Clima urbano. São Paulo: Contexto, 2003. p.9-68.

NERES, Suellen Cristiane Tavares; SANTOS, Joel Silva dos; CARVALHO, Rodrigo Guimarães de. Campo térmico urbano e sua relação com o uso e cobertura do solo na cidade de Mossoró – Rio Grande do Norte. Gaia Scientia, Paraíba, v.9, 44-42, 2015

NWS, National Weather Service; NOAA, National Oceanic and Atmospheric Administration. What is the heat index?. Amarillo, Texas: NWS/NOAA, 2011. Disponível em: https://www.weather.gov/ama/heatindex. Acesso em: 3 ago. 2018

SARAIVA, Ana Luiza Bezerra da Costa. O clima urbano de Mossoró (RN): o subsistema termodinâmico. 2014. 243 f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Geografia) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2014.

SARAIVA, Ana Luiza Bezerra da Costa; VALE, Cláudia Câmara do; ZANELLA, Maria Eliza. Temperaturas na zona urbana e na zona rural no município de Mossoró - RN. Revista GeoNorte, v. 2, p. 600-613, 2012.

SARAIVA, Ana Luiza Bezerra da Costa; VALE, Cláudia Câmara do; ZANELLA, Maria Eliza. Comportamento dos elementos climáticos no município de Mossoró (RN) e os impactos na saúde humana. Revista GeoInterações, Assú, v. 1, n. 1, p. 87-105, 2017.

SILVA, Caio Frederico e. Caminhos bioclimáticos: desempenho ambiental de vias públicas na cidade de Teresina - PI. 2009. 140 f. Dissertação (Programa de Pesquisa e Pós-Graduação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo) – Universidade de Brasília, Brasília, 2009.

SORANO, Elisangela Cristina. Ergonomia de Quadras Urbanas: Condição Térmica do Pedestre. Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação. Dissertação de mestrado 166p, São Paulo, 2009.

Downloads

Publicado

2019-06-30