Avaliação do seguimento de lesões precursoras de câncer do colo do útero – uma revisão bibliográfica

Gabriela Henrique Oliveira Cavalcante, Gilson Jácome dos Reis

Resumo


O câncer do colo do útero, também chamado de câncer cervical, está relacionado com a infecção de alguns tipos do Papilomavírus Humano (HPV) chamados oncogênicos. Este tipo de tumor é o quarto mais frequente na população feminina, com aproximadamente 570 mil novos casos por ano no mundo. Cerca de 7.5% da população feminina é acometida por este câncer e 311 mil mulheres evoluem para óbito. O exame preventivo (Papanicolau) é uma medida fundamental para detecção precoce de lesões precursoras e amplamente utilizado. Quando a lesão é diagnosticada precocemente o tratamento apresenta alto grau de cura. O rastreamento e acompanhamento destes casos são essenciais para evitar o surgimento de novos casos de câncer que implicam em tratamentos mais complexos e dispendiosos. Este estudo consiste em uma revisão bibliográfica referente a avaliação e condução do seguimento de lesões precursoras deste tipo de câncer. Os dados analisados evidenciam dificuldades encontradas pelas mulheres em agendar consultas de retorno após realização do exame preventivo, o que dificulta a implementação de ações imediatas para o tratamento. A perda de seguimento é um problema relevante e ocorre devido a fatores como a má interpretação de exames, resultando em repetição desnecessária do exame preventivo e atraso na realização de colposcopia e, consequentemente, do início de tratamento; ausência de seguimento em exames alterados; deficiência de orientação e encaminhamento oportuno destas mulheres. Para enfrentar tais desafios propõe-se que os serviços estejam organizados em rede, que inclui sistema de rastreamento conectado com o seguimento e tratamento adequado das mulheres que apresentem alterações nos exames preventivos. Também se faz necessário investigação sobre os motivos de não adesão das mulheres, controle de qualidade dos serviços de coleta e análise das amostras, avaliação de protocolos utilizados e busca ativa das pacientes para realização do exame Papanicolau.

Palavras-chave: Atenção à Saúde, exame Papanicolau, longitudinalidade, detecção precoce de câncer.


Texto completo:

PDF

Referências


Araújo E.S., Barbosa F.M., Ázara C.Z.S., Ferreira T.X.A.M., Tavares S.B.N.M. & Amaral R.G. (2014) Avaliação do seguimento de mulheres com exames citopatológicos alterados de acordo com as condutas preconizadas pelo Ministério da Saúde em Goiânia, Goiás. Revista Brasileira de Cancerologia, 60(1): 7–13.

Brasil (2010) Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer. Plano de ação para redução da incidência e mortalidade por câncer do colo do útero. Rio de Janeiro: INCA. 40 p.

Brasil (2011) Tribunal de Contas da União. Política Nacional de Atenção Oncológica. Brasília: TCU. 132 p.

Brasil (2013) Ministério da Saúde. Portaria nº 3.394 de 30 de dezembro de 2013. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt3394_30_12_2013.html (acessado em 01/07/2021).

Brasil (2016) Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer. Diretrizes brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero. 2° edição. Rio de Janeiro: INCA. 118 p.

Brasil (2021a) Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer. Câncer do colo do útero – Fatores de Risco. Disponível em: https://www.inca.gov.br/controle-do-cancer-do-colo-do-utero/fatores-de-risco (acessado em 30/05/2021).

Brasil (2021b) Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer. Câncer do colo do útero – versão para profissionais. Disponível em: https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-do-colo-do-utero (acessado em 30/05/2021).

Brasil (2021c) Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer. Câncer do colo do útero – Conceito e Magnitude. Disponível em: https://www.inca.gov.br/controle-do-cancer-do-colo-do-utero/conceito-e-magnitude (acessado em 30/05/2021).

Brasil (2021d) Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer. Estatísticas de Câncer. Disponível em: https://www.inca.gov.br/numeros-de-cancer (acessado em 30/05/2021).

Caetano R., Vianna C.M.M., Thuler L.C.S. & Girianelli V.R. (2006) Custo efetividade no diagnóstico precoce do câncer de colo uterino no Brasil. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 16(1): 99–118. https://doi.org/10.1590/S0103-73312006000100007

Carvalho V.F., Kerber N.P.C., Wachholz V.A., Pohlmann F.C., Marques L.A. & Francioni F.F. (2016) Acesso ao exame Papanicolau por usuárias do sistema único de saúde. Revista Rene, 17(2): 198–207.

Carvalho P.G., O'Dwer G. & Rodrigues N.C.P. (2018) Trajetórias assistenciais de mulheres entre diagnóstico e início de tratamento do câncer do colo uterino. Saúde Debate, 42(118): 687–701.

Casarin M.R. & Piccoli J.C.E.B. (2011) Educação em saúde para a prevenção do câncer de colo do útero em mulheres do município de Santo Ângelo/MS. Ciências & saúde coletiva, 16(9): 3925–3932. https://doi.org/10.1590/S1413-81232011001000029

Cruz L.M.B. & Loureiro R.P. (2008) A comunicação na abordagem preventiva do câncer do colo do útero: importância das influências histórico-culturais e da sexualidade feminina na adesão às campanhas. Saúde Sociais, 17(2): 120–131.

https://doi.org/10.1590/S0104-12902008000200012

Dalmolin S.P., Dexheimer G.M. & Delving L.K.O.B. (2016) Mulheres com exames citopatológicos alterados: Avaliação do seguimento de acordo com as condutas preconizadas pelo Ministério da Saúde. Revista Brasileira de Análise Clínicas, 48(3): 235–239.

Farias A.C.B. & Barbieri A.R. (2016) Seguimento do câncer de colo do útero: Estudo da continuidade da assistência à paciente em uma região de saúde. Escola Ana Nery, 20(4): e20160096. https://doi.org/10.5935/1414-8145.20160096

Febrasgo (2017) Rastreio, diagnóstico e tratamento do câncer de colo de útero. São Paulo: Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO). 64 p.

Franco J.L.V., Gondinho B.V.C., Bulgareli J.V., Cortellazzi K.L., Guerra L.M., Costa A.D., Cavalcante D.F.B., Ambrosano G.M.B. & Pereira A.C. (2019) Seguimento de Resultados Alterados de Papanicolau nas Unidades Básicas de Saúde do Município de São Paulo. Revista Eletrônica Gestão & Saúde, edição especial: 19–36. https://doi.org/10.26512/gs.v0i0.23317

Gil A.C. (2011) Como elaborar projetos de pesquisa. 5° edição. São Paulo: Atlas. 188 p.

Köche J.C. (2011) Fundamentos de metodologia científica: teoria da ciência e iniciação a pesquisa. 29° edição. Petrópolis: Vozes. 185 p.

Ribeiro M.G.M., Santos S.M.R. & Teixeira M.T.B. (2011) Itinerário terapêutico de mulheres com câncer do colo do útero: uma abordagem focada na prevenção. Revista Brasileira de Cancerologia, 57(4): 83–91. https://doi.org/10.32635/2176-9745.RBC.2011v57n4.644

Risso B.B.S. & Soares M.C. (2011) Avaliação dos registros do exame citopatológico em uma unidade básica de saúde em Rio Grande-RS. Revista de Enfermagem em Saúde, 1(1): 84–90. https://doi.org/10.15210/jonah.v1i1.3410

Santos J.G.C. & Dias J.M.G. (2018) Vacinação pública contra o papilomavirus humano no Brasil. Revista Médica de Minas Gerais, 28: 2238–3182.

Silva D., Lopes E.L. & Braga S.S. (2014) Pesquisa Quantitativa: elementos, paradigmas e definições. Revista de Gestão e Secretariado - GeSec, 5(1): 1–18.

https://doi.org/10.7769/gesec.v5i1.297

Soares S.J. (2019) Pesquisa Científica: Uma abordagem sobre o Método Qualitativo. Revista Ciranda, 3(1): 168–180.

Tavares S.B.N., Amaral R.G., Manrique E.J.C., Souza N.L.A., Albuquerque Z.B.P. & Zeferino L.C. (2007) Controle da qualidade em citopatologia cervical: revisão de literatura. Revista Brasileira de Cancerologia, 53(3): 355–364.

Uchimura N.S., Nakano K., Nakano L.C.G. & Uchimura T.T. (2009) Qualidade e desempenho das colpocitologias na prevenção de câncer de colo uterino. Revista da Associação de Medicina Brasileira, 55(5): 569–574. https://doi.org/10.1590/S0104-42302009000500021

Vale D.B.A.P., Morais S.S., Pimenta A.L. & Zeferino L.C. (2010) Avaliação do rastreamento do câncer do colo do útero na Estratégia Saúde da Família no Município de Amparo, São Paulo, Brasil. Caderno de Saúde Pública, 26(2): 383–390.

https://doi.org/10.1590/S0102-311X2010000200017

Vieira S. & Hossene W. (2007) Metodologia científica para a área da saúde. Rio de Janeiro: Elsevier. 175 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.29215/pecen.v5i0.1741

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Autor e Revista mantêm os direitos da publicação

____________________________________________
Pesquisa e Ensino em Ciências Exatas e da Natureza
Unidade Acadêmica de Ciências Exatas e da Natureza - CFP - UFCG
Cajazeiras - PB, Brasil
(ISSN 2526-8236)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

INDEX COPERNICUS INTERNACIONAL

 

ICI WORLD OF JOURNALS