Tecnologias sociais de acesso à água enquanto estratégias de convivência com o semiárido: experiências e protagonismo da comunidade do Sítio Carcaré, São José da Lagoa Tapada-PB

Benedita Martins Tomaz, Hugo da Silva Florentino

Resumo


Esta pesquisa objetivou refletir os avanços, dificuldades e desafios em uma comunidade rural no Sertão paraibano após a implantação de tecnologias sociais de acesso à água desenvolvidas e aplicadas pela Articulação do Semiárido. O trabalho apoiou-se na abordagem qualitativa, do tipo estudo de caso, cuja análise das experiências e dos resultados ocorreu por meio de entrevistas. Os resultados expõem que as cisternas de placas e de calçadão são tecnologias sociais de acesso à água que garantem as condições mínimas de água, promovendo inclusão e protagonismo das famílias, mas que ainda existem desafios de natureza política (quantidade de água e usos múltiplos, uso de carro-pipa em situações emergenciais e acesso à terra), estrutural (rachaduras e vazamentos por falta de manutenção), e de conhecimento para consolidação do paradigma da sustentabilidade e da convivência com o semiárido na área pesquisada.

Palavras chave: Políticas públicas, autonomia, ASA, cisternas.


Texto completo:

PDF

Referências


Abílio F.J. (2011) Educação Ambiental: conceitos, princípios e tendências (p. 97-137). In: Abílio F.J. (Orgs). Educação ambiental para o Semiárido. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB. 582 p.

Alencar M.O., Justo W.R. & Alves D.F. (2018) Os efeitos do programa “uma terra e duas águas (p1+2)” sobre a qualidade de vida do pequeno produtor rural do semiárido nordestino. Revista econômica do Nordeste, 49(1): 165–180.

Alves A.P. (2013) Convivência com o Semiárido (p. 35–37). In: Conti I.L. & Schroeder E.O. (Orgs). Estratégias de Convivência com o Semiárido Brasileiro: Texto e Artigos de Alunos (as) Participantes. Brasília: Editora IABS. 212 p.

ASA (2019a) Articulação Semiárido Brasileira. Mapa de Tecnologias. Disponível em: http://www.

asabrasil.org.br/mapatecnologias/#. (acessado em 10/11/2019).

ASA (2019b) Programa Um milhão de Cisternas (P1MC). Disponível em: http://www.asabrasil.or

g.br/acoes/p1mc. (acessado em 10/11/2019).

ASA (2019c) Programa Uma Terra e Duas Águas (P1+2). Disponível em: https://www.asabrasil.or

g.br/acoes/p1-2#categoria_img. (acessado em 10/11/2019).

Arsky I.C. & Santana V.L. (2013) Parâmetros de demanda hídrica no semiárido (p. 149–158). In: Conti I.L. & Schroeder E.O. (Orgs). Convivência com o Semiárido Brasileiro: Autonomia e Protagonismo Social. Brasília: Editora IABS. 210 p.

Arsky I.C., Santana V.L. & Pereira C.M. (2013) Acesso à água no semiárido: a água para o consumo humano (p. 139–148). In: Conti I.L. & Schroeder E.O. (Orgs). Convivência com o Semiárido Brasileiro: Autonomia e Protagonismo Social. Brasília: Editora IABS. 210 p.

Baptista N.Q. (2011) Conhecendo e refletindo sobre o Semiárido e Agroecologia (p. 9–17). In: Santos B.M.C., Oliveira C.S., Lopes M.R., Carneiro V.M.O. & Souza Z.L. (Orgs). Construindo Saberes para Educação Contextualizada. Bahia: Gráfica JB Ltda. 124 p.

Baptista N.Q. (2016) As Tecnologias Sociais e seu Papel na Transformação da Sociedade (p. 29–41). In: Santos A.P., Cunha A.R.B.A., Denis A.A.C. & Perez-Marin A.M.P. (Orgs). Vivências e Práticas Para Coabitação no Semiárido Brasileiro: Ensaios e Reflexões. Campina Grande: Instituto Nacional do Semiárido (INSA). 207 p.

Baptista N.Q. & Campos C.H. (2013a) Possibilidades de construção de um modelo sustentável de desenvolvimento no semiárido (p. 59-72). In: Conti I.L. & Schroeder E.O. (Orgs). Convivência com o Semiárido Brasileiro: Autonomia e Protagonismo Social. Brasília: Editora IABS. 210 p.

Baptista N.Q. & Campos C.H. (2013b) Formação, organização e mobilização social no semiárido brasileiro (p. 73–82). In: Conti I.L. & Schroeder E.O. (Orgs). Convivência com o Semiárido Brasileiro: Autonomia e Protagonismo Social. Brasília: Editora IABS. 210 p.

Baumgarten M. (2008) Ciência, tecnologia e desenvolvimento – redes e inovação social. Parcerias Estratégicas, 13(26): 101–123.

BRASIL (2017) Resolução Nº 115, de 23 de novembro de 2017. Aprova a Proposição nº 113/2017, que acrescenta municípios a relação aprovada pela Resolução CONDEL nº 107, e 27 de julho de 2017. Fortaleza: Ministério da Integração Nacional. Disponível em: http://sudene.gov.br/images/arquivos/conselhodeliberativo/resolucoes/resolucao115-23112017

-delimitacaodosemiarido.pdf (acessado em: 28/09/2020).

BRASIL (2018) Decreto de Nº 9.606, de 10 de Dedembro de 2018. Regulamenta o Programa Nacional de Apoio à Captação de Água de Chuva e Outras Tecnologias Sociais de Acesso à Água - Programa Cisternas. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2018/decreto/D9606.htm (acessado em 18/11/2020).

Carlixto-Junior F. & Silva A.C. (2016) Sustentabilidade e políticas públicas de convivência com o semiárido: um olhar sobre as tecnologias sociais no campo. Revista da Casa da Geografia de Sobral, 18(1): 44–62.

Costa A.B. & Dias S.R.B. (2013) Estado e sociedade civil na implantação de políticas de cisternas (p. 33-64). In: Costa A.B. (Orgs). Tecnologia Social e Políticas Públicas. São Paulo: Instituto Pólis. 286 p.

Gerhardt T. E. & Souza A.C. (2009) Aspectos teóricos e conceituais (p. 11–29). In: Gerhardt T.E. & Silveira D.T. (Orgs). Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS. 120 p.

Gil A.C. (2008) Métodos e técnicas de pesquisa social. 6° edição. São Paulo: Atlas. 220 p.

Gomes A.F. & Heller L. (2016) Acesso à água proporcionado pelo Programa de Formação e Mobilização Social para Convivência com o Semiárido: Um Milhão de Cisternas Rurais: combate à seca ou ruptura da vulnerabilidade? Engenharia Sanitária e Ambiental, 21(3): 623–633. https://doi.org/10.1590/S1413-41522016128417

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010) Censo Demográfico. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pb/sao-jose-da-lagoa tapada/pesquisa/23/27652?detalhes=true (acessado em 18/11/2020).

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2017a) Regiões Geográficas. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/apps/regioes_geograficas/ (acessado em 14/11/2020).

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2017b) Produto Interno Bruto dos Municípios. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pb/sao-jose-da-lagoa-tapada/pesquisa/38/46996 (acessado em: 28/09/2020).

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2017c) Censo Agropecuário. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pb/sao-jose-da-lagoa-tapada/pesquisa/24/76693 (acessado em: 20/06/2019).

INSA – Instituto Nacional do Semiárido (2017) Nova delimitação expande o semiárido até o Maranhão: 73 novos municípios foram incluídos. Disponível em: https://portal.insa.gov.br/not

icias/1070-nova-delimitacao-expande-o-semiarido-ate-o-maranhao-73-novos-municipios-foram-incluidos (acessado em: 16/11/2020).

Jesus V.M.B. & Costa A.B (2013) Tecnologia social: breve referencial teórico e experiências ilustrativas (p. 17–32). In: Costa A.B. (Orgs). Tecnologia Social e Políticas Públicas. São Paulo: Instituto Pólis. 286 p.

Lakatos E.M. & Marconi M.A. (2010) Fundamentos de metodologia científica. 5° edição. São Paulo: Atlas. 310 p.

Malvezzi R. (2007) Semi-árido – uma visão holística. Brasília: Confea. 140 p.

Malvezzi R. (2012) Seca furiosa. Disponível em: http://www.acessodesterro.com/2012/04/seca-furiosa-por-roberto-malvezzi.html (acessado em 21/09/2019).

Malvezzi R. (2016) Uma Conceituação Processual e Holística da Convivência com o Semiárido (p. 13–28). In: Santos A.P., Cunha A.R.B.A., Denis A.A.C. & Perez-Marin A.M.P. (Orgs). Vivências e Práticas Para Coabitação no Semiárido Brasileiro: Ensaios e Reflexões. Campina Grande: Instituto Nacional do Semiárido (INSA). 207 p.

Melito L. (2020) Programa de cisternas enfrenta "seca" de recursos e fome bate à porta do semiárido. Disponível em: https://www.brasildefato.com.br/2020/01/21/programa-de-cisternas-enfrenta-seca-de-recursos-e-fome-bate-a-porta-do-semiarido (acessado em 18/11/2020).

Mota C.S. (2017) As cisternas como novos paradigmas para a convivência no semiárido: o caso da comunidade rural de Riacho da Arara, Cajazeiras – PB. Monografia (Graduação em Geografia). Universidade Federal de Campina Grande, Cajazeiras, Paraíba.

Oliveira D.B.S. (2013) O uso das tecnologias sociais hídricas na zona rural do semiárido paraibano: Entre o combate a seca e a convivência com o semiárido. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Geografia). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, Paraíba.

Pereira E.S. (2013) Educação Contextualizada e Convivência com o Semiárido: lutas, conquistas e desafios (p. 97–108). In: Conti I.L. & Schroeder E.O. (Orgs). Convivência com o Semiárido Brasileiro: Autonomia e Protagonismo Social. Brasília: Editora IABS. 210 p.

Pinto E.B. & Lima M.J.A. (2008) O Programa de convivência com o semi-árido brasileiro e sua influência na mudança de hábitos e valores. Cadernos de Estudos Sociais, 24(1): 71–85.

PNUD - Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (2013) Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. Disponível em: https://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/idh0/rankings/idhm-municipios-2010.html (acessado em: 15/06/2019).

Rocha J.C. (2013) Soberania e segurança alimentar no semiárido (p. 107–116). In: Conti I.L. & Schroeder E.O. (Orgs). Convivência com o Semiárido Brasileiro: Autonomia e Protagonismo Social. Brasília: Editora IABS. 210 p.

Silva R.M.A. (2003) Entre dois paradigmas: combate a seca e convivência com o semi-árido. Sociedade e Estado, 18(1-2): 361–385. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69922003000100017

Silva R.M.A. (2006) Entre o combate à seca e a convivência com o semiárido: transições paradigmáticas e sustentabilidade do desenvolvimento. Tese (Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável). Universidade de Brasília, Centro de Desenvolvimento Sustentável, Brasília.

Silva P.C.G., Moura M.S.B., Kiill L.H.P., Brito L.T.L., Pereira L.A., Sa I.B., Correira R.C., Teixeira A.H.C., Cunha T.J.F. & Guimarães-Filho C. (2010) Caracterização do Semiárido brasileiro: fatores naturais e humanos (p. 18–48). In: Sa I.B. & Silva P.C.G. (Eds). Semiárido brasileiro: pesquisa, desenvolvimento e inovação. Petrolina: Embrapa Semiárido. 402 p.

Silva M.L.M., Rodrigues A.O. & Silva S.L. (2013) Transformações e protagonismo social no semiárido (p. 38-58). In: Conti I.L. & Schroeder E.O. (Orgs). Estratégias de Convivência com o Semiárido Brasileiro: Texto e Artigos de Alunos (as) Participantes. Brasília: Editora IABS. 212 p.

Silva S.D., Medeiros V.P. & Silva A.B. (2016) Tecnologias sociais hídricas para convivência com o semiárido: o caso de um assentamento rural do município de Cabaceiras - PB. Holos, 1: 295–309. https://doi.org/10.15628/holos.2016.3312

Suassuna J. (2007) Semi-árido: Prosposta de convivência com a seca. Caderno de Estudos Sociais, 23(1-2): 135–148.

SUDENE – Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (2017) Mapa de delimitação do Semiárido. Disponível em: http://antigo.sudene.gov.br/images/arquivos/semiarido/arquivos/m

apa-semiarido-1262municipios-Sudene.pdf (acessado em 14/11/2020).

Tomaz B.M. (2017) Turismo e sustentabilidade: um estudo sobre os recursos turísticos potenciais na serra de Santa Catarina, São José da Lagoa Tapada-PB. Monografia (Graduação em Geografia). Universidade Federal de Campina Grande, Cajazeiras, Paraíba.

Ventura A.C., Andrade J.C.S. & Garcia L.F. (2014) Tecnologias sociais de convivência com o semiárido como estratégia de mitigação/adaptação às mudanças climáticas no Brasil. Astrolabio, 12: 43–72.




DOI: http://dx.doi.org/10.29215/pecen.v5i0.1706

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Autor e Revista mantêm os direitos da publicação

____________________________________________
Pesquisa e Ensino em Ciências Exatas e da Natureza
Unidade Acadêmica de Ciências Exatas e da Natureza - CFP - UFCG
Cajazeiras - PB, Brasil
(ISSN 2526-8236)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

INDEX COPERNICUS INTERNACIONAL

 

ICI WORLD OF JOURNALS