Workshop como uma metodologia para o ensino-aprendizagem de ciências: um estudo de caso com o grupo Bioinorganic Chemistry Environment and Medicine (BIOMET)

Hector Aguilar Vitorino, Roxana Yesenia Pastrana Alta, Priscila Ortega

Resumo


A busca por metodologias educacionais, como os workshops, é constante para a melhoria do processo de ensino-aprendizagem. Dessa maneira, o objetivo do estudo foi analisar o workshop BIOMET 2017 como um evento de difusão científica e ferramenta metodológica para o aprendizado significativo dos participantes. O evento ocorreu em 3 dias, sendo o primeiro dia teórico (palestras sobre bioindicadores marinhos), o segundo prático (minicurso) e o terceiro dia de análise e discussão de dados. Ao final do terceiro dia, um formulário de satisfação foi dado para cada participante para avaliação do evento. De maneira geral, o evento apresentou grande participação masculina de estudantes de graduação, das áreas de Química e Biologia, com pouca experiência em laboratório, e classificado como “bom ou muito bom” pelos participantes. O minicurso avaliou estatisticamente a morte de artêmias, ao longo do tempo, em crescentes concentrações de cloreto de cádmio. A morte de artêmias ocorreu a partir de 10 mmol L-1, após 1 hora de experimento, os quais contrastaram com a literatura, possivelmente devido às dificuldades relacionadas a execução do experimento. Com esse intuito, eventos como BIOMET 2017 são importantes ferramentas de aprimoração, aproximando o conteúdo teórico da prática laboratorial, desenvolvendo profissionais mais críticos e reflexivos.

Palavras chave: Educação, minicurso, artêmias, contaminantes.


Texto completo:

PDF

Referências


Alberts B. (2009) Redefining science education. Science, 323(5913): 437. https://doi.org/10.1126/science.1170933

Altet M. (2001) As competências do professor profissional: entre conhecimentos, esquemas de ação e adaptação, saber analisar (p. 23–35). In: Paquay L., Altet M., Charlier É. & Perrenoud P. (Eds). Formando professores profissionais: Quais estratégias. Porto Alegre: Artmed Editora. 232 p.

Borochovicius E. & Tortella C.J.B. (2014) Aprendizagem Baseada em Problemas: um método de ensino-aprendizagem e suas práticas educativas. Ensaio Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 22(83): 263–294.

Cotta R.M.M., Silva L.S., Lopes L.L., Gomes K.O., Cotta F.M., Lugarinho R. & Mitre S.M. (2012) Construção de portfólios coletivos em currículos tradicionais: uma proposta inovadora de ensino-aprendizagem. Ciência & Saúde Coletiva, 17(3): 787–796. https://doi.org/10.1590/S1413-81232012000300026

Cyrino E.G. & Toralles-Pereira M.L. (2004) Trabalhando com estratégias de ensino-aprendizado por descoberta na área da saúde: a problematização e a aprendizagem baseada em problemas. Cadernos de Saúde Pública, 20(3): 780–788. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2004000300015

Fagundes T.B. (2016) Os conceitos de professor pesquisador e professor reflexivo: perspectivas do trabalho docente. Revista Brasileira de Educação, 21(65): 281–298. https://doi.org/10.1590/S1413-24782016216516

Fayard P. (1999) La sorpresa de Copérnico: el conocimiento gira alrededor del público. Alambique Didáctica las Ciencias Experimentales, 6(21): 9–16.

Festas M.I.F. (2015) A aprendizagem contextualizada: análise dos seus fundamentos e práticas pedagógicas. Educação e Pesquisa, 41(3): 713–728. https://doi.org/10.1590/S1517-9702201507128518

Freire P. (1987) Pedagogia do oprimido. 17° edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 275 p.

Gomes M.P.C., Ribeiro V.M.B., Monteiro D.M., Leher E.M.T. & Louzada R.C.R. (2010) O uso de metodologias ativas no ensino de graduação nas ciências sociais e da saúde – avaliação dos estudantes. Ciência e Educação, 16(1): 181–198. https://doi.org/10.1590/S1516-73132010000100011

Jennings J.R. & Rainbow P.S. (1979) Accumulation of cadmium by Artemia salina. Marine Biology, 51(1): 47–53. https://doi.org/10.1007/BF00389030

Kokkali V., Katramados I. & Newman J.D. (2011) Monitoring the Effect of Metal Ions on the Mobility of Artemia salina Nauplii. Biosensors, 1: 36–45. https://doi.org/10.3390/bios1020036

Krasilchik M. (2009) Biologia - ensino prático (p. 249–258). In: Caldeira A.M.A. & Araújo E.S.N.N. (Eds). Introdução à Didática da Biologia. São Paulo: Educação para a Ciência – Escrituras. 304 p.

Lima K.E.C. & Vasconcelos S.D. (2008) Science teachers from public schools in Recife and their perspective on continuing education. Ciência & Educação, 14(2): 347–364. https://doi.org/10.1590/S1516-73132008000200012

Lima J.M., Silva C.A., Rosa M.B., Santos J.B., Oliveira T.G. & Silva M.B. (2009) Prospecção fitoquímica de Sonchus oleraceus e sua toxicidade sobre o microcrustáceo Artemia salina. Planta Daninha, 27(1): 7–11.

Luz M.T. (2009) Complexidade do campo da Saúde Coletiva: multidisciplinaridade, interdisciplinaridade, e transdisciplinaridade de saberes e práticas - análise sócio-histórica de uma trajetória paradigmática. Saúde e Sociedade, 18: 304–311. https://doi.org/10.1590/S0104-12902009000200013

Madruga A. (1996) Aprendizagem pela descoberta frente à aprendizagem pela recepção: a teoria da aprendizagem verbal significativa (p. 68–78). In: Coll C., Palácios J. & Marchesi A. (Eds). Desenvolvimento psicológico e educação. Porto Alegre: Artes Médicas. 381 p.

Marin M.J.S., Gomes R., Marvulo M.M.L., Primo E.M., Barbosa P.M.K. & Druzian S. (2010) Pós-graduação multiprofissional em saúde: resultados de experiências utilizando metodologias ativas. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 14: 331–344. https://doi.org/10.1590/S1414-32832010000200008

Ørngreen R. & Levinsen K. (2017) Workshops as a Research Methodology. The Electronic Journal of e-Learning, 15: 70.

Praia J., Cachapuz A. & Gil-Pérez D. (2002) A hipótese e a experiência científica em educação em ciência: contributos para uma reorientação epistemológica. Ciência & Educação, 8(2): 253–262. https://doi.org/10.1590/S1516-73132002000200009

Rohlf F.J. & Sokal R.R. (1969) Statistical tables. 5 illus. Folkestone: W.H Freeman and Company Ltd. 253 p.

Santos A. (2008) Complexidade e transdisciplinaridade em educação. Revista Brasileira de Educação, 13(37): 71–83. https://doi.org/10.1590/S1413-24782008000100007

Scarpa D.L. (2015) O papel da argumentação no ensino de ciências: lições de um workshop. Ensino e Pesquisa em Educação em Ciências, 17: 15–30. https://doi.org/10.1590/1983-2117201517s02

Valadares J. (2011) The meaningful learning theory as a constructivist theory. Meaningful Learning Review, 1: 36–57.

Valderrama L., Belinato Paiva V., Março P.H. & Valderrama P. (2016) Proposta experimental didática para o ensino de análise de componentes principais. Química Nova, 39(2): 245–249. https://doi.org/10.5935/0100-4042.20150166

Wieman C. (2007) Why Not Try a Scientific Approach to Science Education? Change: The Magazine of Higher Learning, 39(5): 9–15. https://doi.org/10.3200/CHNG.39.5.9-15

Wieman C. & Gilbert S. (2015) Taking a Scientific Approach to Science Education, Part II -Changing Teaching. Microbe, 10(5): 203–207.




DOI: http://dx.doi.org/10.29215/pecen.v5i0.1699

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Autor e Revista mantêm os direitos da publicação

____________________________________________
Pesquisa e Ensino em Ciências Exatas e da Natureza
Unidade Acadêmica de Ciências Exatas e da Natureza - CFP - UFCG
Cajazeiras - PB, Brasil
(ISSN 2526-8236)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

INDEX COPERNICUS INTERNACIONAL

 

ICI WORLD OF JOURNALS