Distribuição e diversidade da flora vascular em cinco remanescentes naturais de Alagoas: síntese do conhecimento atual

Emanuelle Almeida da Costa Santos, Eduardo Vinícius Silva Oliveira, José Paulo Santana, Nicácio Silva Brito, Ewerson Bruno de Albuquerque Costa, Jasiel Firmino, Rosângela Pereira de Lyra Lemos, Jarina Waléria Alves Silva, Ana Paula do Nascimento Prata

Resumo


O Estado de Alagoas apresenta remanescentes naturais extremamente importantes e representativos quanto à biodiversidade. Entretanto, nota-se uma carência de levantamentos florísticos neste Estado, o que pode dificultar a elaboração de políticas de conservação. Diante disso, esse trabalho foi realizado com o intuito de listar as espécies de plantas vasculares ocorrentes em cinco áreas de remanescentes em Alagoas. Foram selecionadas cinco áreas: Reserva Particular do Patrimônio Natural Placas, Parque Municipal de Maceió, Estação Ecológica (ESEC) de Murici, ESEC Curral do Meio e Fragmento Varrela. O inventário florístico foi compilado a partir de bibliografia, dados secundários e expedições botânicas. O relacionamento florístico entre os remanescentes foi avaliado a partir de análises de similaridade florística. Os resultados revelaram a existência de 501 espécies, das quais seis espécies estão ameaçadas de extinção. As famílias com o maior número de espécies foram Fabaceae (75 spp.), Rubiaceae (36 spp.) e Malvaceae e Myrtaceae (21 spp. cada). A maioria das espécies (73%) possui distribuição geográfica restrita, i.e., confinadas a um único remanescente. Foram observados valores baixos de similaridade florística (0.20), provavelmente explicados por heterogeneidade ambiental e distância geográfica. A presença de espécies ameaçadas de extinção e a singularidade florística observada reforçam a necessidade de conservação desses remanescentes.

 


Texto completo:

PDF

Referências


Ab’Sáber A.N. (2007) Os domínios da natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. 4° edição. São Paulo: Ateliê Editorial. 144 p.

Almeida-Jr E.B., Machado M.A., Medeiros D.P.W., Pinheiro T.S. & Zickel C.S. (2016) Florística de uma área de vegetação de influência marinha no litoral sul de Alagoas, Brasil. Revista Brasileira de Geografia Física, 9: 1400–1409. https://doi.org/10.5935/1984-2295.20160096

APG IV – Angiosperm Phylogeny Group IV (2016) An update of the Angiosperm Phylogeny Group Classification for the orders and families of flowering plants: APG IV. Botanical Journal of the Linnean Society, 181: 1–20. https://doi.org/10.1111/boj.12385

BFG – The Brazil Flora Group (2018) Brazilian Flora 2020: Innovation and collaboration to meet Target 1 of the Global Strategy for Plant Conservation (GSPC). Rodriguésia, 69: 1513–1527. https://doi.org/10.1590/2175-7860201869402

Brandão C.F.L.S., Vieira A.C.S., Farias D.S., Silva L.G., Gonzaga E.P., Lana M.D., Cola R.Q. & Nobre S.C.M. (2020) Análise do componente arbóreo adulto e regenerante e da serapilheira em um remanescente de Floresta Atlântica em Rio Largo, Alagoas (p. 70–89). In: Leite M.J.H., Pinto A.V.F., Brandão C.F.L.S. & Lana M.D. (Orgs). Pesquisas florestais em foco. – Nova Xavantina, MT: Pantanal Editora. 105 p.

Brasil (2000) Lei n° 9.985/2000 – Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC) e dá outras providências. 6° edição. Brasília: Ministério do Meio Ambiente. 57 p.

Cardoso D.B.O.S. & Queiroz, L.P. (2010) Caatinga no contexto de uma metacomunidade: evidências da biogeografia, padrões filogenéticos e abundância de espécies em leguminosas (p. 241–260). In: Carvalho C.J.B. & Almeida E.A.B. (Orgs). Biogeografia da América do Sul: padrões e processos. São Paulo: Roca. 332 p.

Carvalho G. (2020) Tools for Interacting with the Brazilian Flora 2020. Disponível em: http://www.githu b.com/gustavobio/flora (Acessado em 11/05/2021).

Chaves A.D.C.G., Sousa R.M.S., Santos J.O, Albuquerque A.F. & Maracajá P.B. (2013) A importância dos levantamentos florístico e fitossociológico para a conservação e preservação das florestas. Agropecuária Científica no Semiárido, 9: 43–48. http://dx.doi.org/10.30969/acsa.v9i2.449

CNCFLORA – Centro Nacional de Conservação da Flora (2021) Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: http://cncflora.jbrj.gov.br/portal/ (Acessado em 01/11/2021).

Correia J.S., Lyra-Lemos R.P., Ribeiro R.D.T.M. & Bezerra M.I. (2021) Diversidade Florística dos Afloramentos Rochosos da Reserva Biológica de Pedra Talhada, Quebrangulo, Alagoas. Revista Brasileira de Geografia Física, 14: 743–757. https://doi.org/10.26848/rbgf.v14.2.p743-757

Costa A.S. & Moura F.B.P. (2006) A biodiversidade da Mata Atlântica alagoana: flora (p. 39–47). In: Moura F.B.P. (Org). A Mata Atlântica em Alagoas. Maceió: EDUFAL. 88 p.

Costa A.S., Rios P.A.F., Salgado S.S., Lyra-Lemos R.P. & Moura F.D.B.P. (2007) Estrutura de um fragmento florestal na região metropolitana de Maceió. Revista Brasileira de Biociências, 5: 339–341.

Doyle J.J. & Luckow M.A. (2003) The rest of the iceberg: legume diversity and evolution in a phylogenetic context. Plant Physiology, 131: 900–910. https://doi.org/10.1104/pp.102.018150

Filgueiras T.S., Nogueira P.E., Brochado A.L. & Guala G.F. (1994) Caminhamento: um método expedito para levantamentos florísticos qualitativos. Cadernos de Geociências, 12: 39–43.

Forzza R.C., Baumgratz J.F.A., Bicudo C.E.M., Canhos D.A.L., Carvalho Jr. A.A., Costa A.F., Costa D.P., Hopkins M., Leitman P.M., Lohmann L.G., Maia L.C., Martinelli G., Menezes M., Morim M.P., Nadruz-Coelho M.A., Peixoto A.L., Pirani J.R., Prado J., Queiroz L.P., Souza V.C., Stehmann J.R., Sylvestre L., Walter B.M.T. & Zappi D. (2010) Catálogo de plantas e fungos do Brasil. Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson Estúdio / Jardim Botânico do Rio de Janeiro. 1699 p.

Gentry A.H. (1988) Changes in plant community diversity and floristic composition on environmental and geographical gradients. Annals of the Missouri botanical garden: 75: 1–34. https://doi.org/10.2307/2399464

Hammer Ø., Harper D.A.T. & Ryan P.D. (2013) PAST - Palaeontological statistics. Disponível em: http://folk. uio.no/ohammer/past/ (Acessado em 10/06/2021).

Hasanuzzaman M., Araújo S. & Gill S. S. (2020) The plant family Fabaceae: biology and physiological responses to environmental stresses. Singapura: Springer Nature. 547 p.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2021) Portal Cidades e Estados. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/al.html (Acessado em 03/12/2021).

ICMBio – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (2008) Plano de ação nacional para a conservação do mutum-de-alagoas (Mitu mitu = Pauxi mitu). Brasília: ICMBIO. 48 p.

Jacomine P.K.T., Cavalcanti A.C., Pessôa S.C.P. & Silveira C.O. (1975) Levantamento Exploratório – Reconhecimento de Solos do Estado de Alagoas. Recife: EMBRAPA / SUDENE. 562 p.

Lorenzi H (1992) Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Editora Plantarum. 368 p.

Lyra-Lemos R.P., Mota M.C.S., Chagas E.C.O. & Silva F.C. (2010) Checklist-Flora de Alagoas: Angiospermas. Instituto de Meio Ambiente. Maceió: Instituto do Meio Ambiente de Alagoas, Herbário MAC. 141 p.

Machado M.A.B.L., Carvalho L.D.F.C., Neto, J.L.R. & Lyra-Lemos R.P. (2012) Florística do estrato arbóreo de fragmentos da mata atlântica do nordeste oriental, município de Coruripe, Alagoas, Brasil. Revista Ouricuri, 2: 55–72.

Mendonça N.T. (2005) Florística e fitossociologia em fragmento de Mata Atlântica - serra da Bananeira, Estação Ecológica de Murici, Alagoas. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Ciências Florestais. Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, Pernambuco.

Mittelbach G.G. & McGill B.J. (2019) Community Ecology. Oxford: Oxford University Press. 430 p.

Mittermeier R.A., Robles-Gil P. & Mittermeier C. (1997) Megadiversity: earth’s biological wealthiest nations. Mexico City: CEMEX / Agrupación Sierra Madre. 501 p.

Mittermeier R.A., Fonseca G.A.B., Rylands A.B. & Brandon K. (2005) Uma breve história da conservação da biodiversidade no Brasil. Megadiversidade, 1: 14–21.

Mori A.S., Silva L.A.M., Lisboa G. & Coradin L. (1985) Manual de manejo do herbário fanerogâmico. Ilhéus: Centro de Pesquisas do Cacau. 84 p.

Moro M.F. & Martins, F.R. (2011) Métodos de levantamento do componente arbóreo-arbustivo (p. 174–212). In: Felfili J.M., Eisenlohr P.V., Melo M.M.R.F., Andrade L.A. & Meira Neto J.A.A. (Orgs). Fitossociologia no Brasil: métodos e estudos de casos. Vol. 1. Viçosa: Editora UFV. 556 p.

Mota M.C.S., Chagas E.C.O., Silva J.W.S., Silva M.W.T. & Lyra-Lemos R.P. (2017) Checklist das plantas vasculares e caracterização dos morros do Craunã e do Padre, município de Água Branca, Alagoas. AmbientAL, 1: 64–85.

Oliveira A.N.S., Amorim C.M.F. & Lyra-Lemos R.P. (2020) Alagoas-Unidades de Conservação: as riquezas das áreas protegidas no território alagoano. 2° edição. Maceió: Instituto de Meio Ambiente do Estado de Alagoas. 346 p.

Pinto L.P., Paglia A., Paese A. & Fonseca M. (2004) O papel das reservas privadas na conservação da biodiversidade (p. 01–11). In: Castro, R. & Borges, M.E. (Orgs.). RPPN: conservação em terras privadas, desafios para a sustentabilidade. Planaltina do Paraná: Edições CNRPPN. 210 p.

Primack R.B. & Rodrigues E. (2001) Biologia da conservação. Londrina: Editora Planta. 328 p.

Queiroz L.P. (2009) Leguminosas da Caatinga. Feira de Santana: Universidade Estadual de Feira de Santana. 913 p.

R Development Core Team (2015) R: a language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing. Disponível em: https://www.r-project.org/ (Acessado em 10/06/2017).

Rosa-Neto J.L., Lopes U.G.C. & Moura F.B.P. (2013) Effects of soil, altitude, rainfall, and distance on the floristic similarity of Atlantic Forest fragments in the east-Northeast. Biotemas, 26: 91–98. https://doi.org/10.5007/2175-7925.2013v26n3p91

Santos G.R., Santos J.E.B., Araujo K.D. & Costa J.G. (2020) Composição florística e fitossociológica em ambiente de caatinga na Estação Ecológica Curral do Meio, Alagoas. Geo UERJ, 37: 1–16. https://doi.org/10.12957/geouerj.2020.31804

SEPLAG-AL – Secretaria de Estado do Planejamento, Gestão e Patrimônio (2021) Mapas de caracterização territorial. Disponível em https://dados.al.gov.br/catalogo/lt/dataset/mapas-de-caracterizacao-territorial (Acessado em 20/12/2021).

Siqueira G.B., Barbosa L.L.M., Silva J.R.B. & Barros R.P. (2009) Levantamento florístico de um fragmento de mata situado na área de preservação permanente Serra da Mangabeira, município de Arapiraca - AL. Revista Ambientale, 1: 1–16.

Souza M.A., Araujo K.D., Andrade A.P., Pavão J.M.D.S.J. & Costa E.M.S. (2019) Phytosociological analysis of the tree-shrub component of the Caatinga, Alagoas, Brazil. Revista Principia, 47: 153–159.

Stehmann J.R., Forzza R.C., Salino A., Sobral M., Costa D.P. & Kamino L.H.Y. (Eds) (2009) Plantas da Floresta Atlântica. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro. 516 p.

Thiers, B. (2014) Índice herbariorum: the herbaria of the world. Disponível em: http://sweetgum.nybg.org/ih/ (Acessado em 31/12/2021).

Valentin J.L. (1995) Agrupamento e ordenação (p. 27–55). In: Peres-Neto P.R., Valentin J.L. & Fernandez F.A.S (Eds) Tópicos em tratamento de dados biológicos. Rio de Janeiro: Oecologia Brasiliensis / PPGE-UFRJ. 161 p.

Valentin J.L. (2000) Ecologia numérica: introdução à análise multivariada de dados ecológicos. Rio de Janeiro: Interciência. 118 p.

Varty, N. (1998) Caesalpinia echinata / The IUCN Red List of Threatened Species. Disponível em: https://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.1998.RLTS.T33974A9818224.en. (Acessado em 04/12/2021).




DOI: http://dx.doi.org/10.29215/pecen.v6i0.1850

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Autor e Revista mantêm os direitos da publicação

____________________________________________
Pesquisa e Ensino em Ciências Exatas e da Natureza
Unidade Acadêmica de Ciências Exatas e da Natureza - CFP - UFCG
Cajazeiras - PB, Brasil
(ISSN 2526-8236)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

INDEX COPERNICUS INTERNACIONAL

 

ICI WORLD OF JOURNALS