O Ensino de Ciências e Biologia nas Escolas Públicas do Município de Miracema, Rio de Janeiro

Paulo Cesar Jesoé Tancredo, Jean Carlos Miranda

Resumo


Este trabalho teve como objetivo a obtenção de dados acerca do ensino de Ciências e Biologia no município de Miracema-RJ, a fim de conhecer as condições de trabalho e os principais problemas presentes no cotidiano dos docentes. Para tal, foi elaborado um questionário, tendo como público-alvo docentes de Ciências e Biologia que atuam nos anos finais do Ensino Fundamental e no Ensino Médio da rede pública municipal e estadual, a fim de coletar dados que possibilitem: (i) delinear o perfil dos docentes de Ciências e Biologia que atuam em escolas públicas do município; (ii) conhecer e analisar a estrutura física das escolas do município e recursos didáticos disponíveis para utilização no ensino de Ciências e Biologia e (iii) detectar os problemas e desafios enfrentados pelos docentes que ministram aulas de Ciências e Biologia, no município. A presente pesquisa evidenciou a ocorrência de diversos problemas relacionados ao ensino de Ciências e Biologia. Os dados obtidos podem ser importantes para a tomada de decisões com vistas à solução dos problemas elencados e promoção da melhoria das condições de trabalho docente nas disciplinas de Ciências e Biologia.

Palavras-chave: Ensino Fundamental, Ensino Médio, Rede Pública de Ensino.


Texto completo:

PDF

Referências


Almeida L.M., Costa J.B.S. & Theodoro F.C.M. (2015) Modalidades e recursos didáticos mais utilizados no ensino de Ciências e Biologia. Estação Cientifica (UNIFAP), 5(1): 127–139.

Alves T. & Pinto J.M.R. (2011) Remuneração e características do trabalho docente no Brasil: um aporte. Cadernos de Pesquisa, (41)143: 606–639.

Antonowiski R., Alencar M.V. & Rocha L.C.T. (2017) Dificuldades encontradas para aprender e ensinar física moderna. Scientific Eletronic Archives, 10(4): 50–57.

Araújo R.P. (2015) As dificuldades na aprendizagem de física no Ensino Médio da Escola Estadual Dep. Alberto de Moura Monteiro. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Física), Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Piauí, Piauí.

Arruda K.M. (2019) Botânica para além da sala de aula: o contexto local como recurso motivacional para o ensino. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Ensino), Universidade Federal Fluminense, Santo Antônio de Pádua, Rio de Janeiro.

Barbosa P.P. & Ursi S. (2019) Motivação para formação continuada em Educação a Distância: um estudo exploratório com professores de Biologia. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 18(1): 148–172.

Barros M.D.M. & Costa E.C.P. (2014) Luz, câmera, ação: o uso de filmes como estratégia para o ensino de Ciências e Biologia. Revista Práxis, 6(11): 81–89. https://doi.org/10.25119/praxis-6-11-625

Bartzik F. & Zander L.D. (2016) A importância das aulas práticas de ciências no ensino fundamental. @rquivo Brasileiro de Educação, 4(8): 31–38. https://doi.org/10.5752/P.2318-7344.2016v4n8p31

Biet B.P. & Soares H.C.C. (2018) A importância da família no processo de desenvolvimento da aprendizagem da criança. Revista Cientifica Online – UniAtenas, 10(2): 1–14.

BRASIL (1985) Decreto n° 91.542, de 19 de agosto de 1985. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 ago. 1985. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1980-1987/decreto-91542-19-agosto-1985-441959-publicacaooriginal-1-pe.html (Acessado em 14/04/2021).

BRASIL (1988) Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Presidência da República, Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm (Acessado em 14/04/2021).

BRASIL (1996) Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei N° 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm (Acessado em 14/04/2021).

Campos L.M.L., Bortoloto T.M. & Felicio A.K. (2003) A produção de jogos didáticos para o ensino de Ciências e Biologia: uma proposta para favorecer a aprendizagem. Cadernos dos Núcleos de Ensino, 47: 47–60.

Carvalho M.R.V. (2018) Perfil do professor da educação básica. Série Documental. Relatos de Pesquisa, n° 41. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. 67 p.

Cassiano C.C.F. (2007) O mercado do livro didático no Brasil: da criação do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) à entrada do capital internacional espanhol (1985-2007). Tese (Programa de Pós-Graduação em Educação: História, Política, Sociedade). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Coelho A.G.V., Garcia S.N.V., Borba B.T. & Jafelice R.S.M. (2016) Ressignificando o espaço escolar por meio da modelagem matemática (p. 1–12). In: Encontro Nacional de Educação Matemática, São Paulo. Anais. São Paulo: Sociedade Brasileira de Educação Matemática.

Diniz R.E.S. & Viveiro A.A. (2009) Atividades de campo no ensino das ciências e na educação ambiental: refletindo sobre as potencialidades desta estratégia na prática escolar. Ciência em Tela, 2(1): 1–12.

Dourado L. (2001) Trabalho prático, trabalho laboratorial, trabalho de campo e trabalho experimental no ensino de Ciências: contributo para uma clarificação de termos (p. 13–18). In: Veríssimo A., Pedrosa A. & Ribeiro R. (Orgs). Ensino experimental de Ciências: (Re) pensar o ensino de Ciências. Lisboa: Ministério da Educação. 163 p.

Firman J.A.A, Santana S.C.R. & Ramos M.L. (2015) A importância da família junto à escola no aprendizado formal das crianças. Colloquium Humanarum, 12(3): 123–133.

Fortuna T.R. (2003) Jogo em aula: recurso permite repensar as relações de ensino-aprendizagem. Revista do Professor, 19(75): 15–19.

Freitas L.M.G.P. & Ximenes A.N. (2019) Principais fatores da evasão escolar na Educação Básica. Revista Projeção e Docência, 10(1): 180–195.

Gonzaga G.R., Miranda J.C., Ferreira M.L., Costa R.C., Freitas C.C.C. & Faria A.C.O. (2017) Jogos didáticos para o ensino de Ciências. Revista Educação Pública, 17(7): 1–11.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE (2020) Portal do IBGE, 2020. Disponível em: www.ibge.gov.br (Acessado em 22/10/2020).

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP (2020) Homepage do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Disponível em: www.gov.br/inep/pt-br (Acessado em 16/10/2020).

Interaminense B.K.S. (2019) A importância de aulas práticas no ensino de Biologia: Uma Metodologia Interativa. Revista Id on Line, 13(45): 342–354.

https://doi.org/10.14295/idonline.v13i45.1842

Krasilchik M. (1988) Ensino de ciências e a formação do cidadão. Em Aberto, 7(40): 55–60. https://doi.org/10.24109/2176-6673.emaberto.7i40.1723

Lima J.M. (2018) A questão ambiental no plano diretor do município de Miracema/RJ. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional, Ambiente e Políticas Públicas). Universidade Federal Fluminense, Campos dos Goytacazes.

Lopes W.R. & Vasconcelos S.D. (2012) Representação e distorções conceituais do conteúdo “filogenia em livros didáticos de biologia do ensino médio. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 14(3): 149–165.

Miranda C.E.A., Coppola G.D. & Rigotti G.F. (2005) A Educação pelo cinema. Educação e Cinema, p. 1–12.

Nicola J.A. & Paniz C.M. (2016) A importância da utilização de diferentes recursos didáticos no Ensino de Ciências e Biologia. InFOR: Inovação e Formação, 2(1): 355–381.

Orozco G.G. (2002) Comunicação, educação e novas tecnologias: tríade do século XXI. Comunicação & Educação, 23: 57–70. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v0i23p57-70

Pacheco H.F. & Paz G.L. (2010) Dificuldades no ensino – aprendizagem de química no ensino médio em algumas escolas públicas da região sudeste de Teresina (p. 1–14). In: Simpósio de Produção Científica e Seminário de Iniciação Científica, 10. Anais. Teresina: UESPI.

Pereira B.B. (2010) Experimentação no ensino de Ciências e o papel do professor na construção do conhecimento. Cadernos da FUCAMP, 9(11): 1–9.

Pessoa O.F. (1987) Como Ensinar Ciências. São Paulo: Companhia Editora Nacional. 218 p.

Pinheiro N.A.M., Silveira R.M.C.F. & Bazzo W.A. (2007) Ciência, Tecnologia e Sociedade: a relevância do enfoque CTS para o contexto do ensino médio. Ciência e Educação, 13(1): 71–84. https://doi.org/10.1590/S1516-73132007000100005

Pires E.A.C., Junior E.J.H. & Moreira A.L.O.R. (2018) O desenvolvimento do pensamento crítico no ensino de ciências dos anos iniciais do ensino fundamental: uma reflexão a partir das atividades experimentais. Revista Valore, 3(Ed. Esp.): 152–164. https://doi.org/10.22408/reva302018150152-164

Ribeiro M.R. (2005) Análise das dificuldades relacionadas ao ensino de física no nível médio. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Física). Universidade de Uberlândia, Uberlândia.

Rio de Janeiro (2010) Parecer n° 134, de 13 de julho de 2010. Diário Oficial, Rio de Janeiro, 10 AGO. 2010. Disponível em: http://www.cee.rj.gov.br/pareceres/P_2010-134_normativo.pdf (Acessado em 14/04/2021).

Rio de Janeiro (2012) Resolução n° 4.778, de 20 de março de 2012. Diário Oficial, Rio de Janeiro, 23 mar. 2012. Disponível em: http://normaseducacionaisrj.blogspot.com/2013/04/resolucao-4778-2012-estrutura-das.html (Acessado em 14/04/2021).

Rio de Janeiro (2013) Resolução N° 4.866, de 14 de fevereiro de 2013. Diário Oficial, Rio de Janeiro, 15 fev. 2010. Disponível em: http://mminerva.blogspot.com/2013/02/resolucao-seeduc-n-4866-de-14-de.html (Acessado em 14/04/2021).

Rocha F.M. & Melo S.D.G. (2019) Carreira, remuneração e piso salarial docente na rede municipal de educação de Belo Horizonte. Educação e Pesquisa, 45: 1–19.

Rocha J.S. & Vasconcelos T.C. (2016) Dificuldades de aprendizagem no ensino de química: algumas reflexões (p. 1–10). In: Encontro Nacional de Ensino de Química. Florianópolis: UFSC.

Santos K.P. (2014) A importância dos experimentos para ensinar ciências no ensino fundamental. Monografia (Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências). Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Medianeira, Paraná.

Silva A.M. (2011) Proposta para tornar o ensino de Química mais atraente. Revista de Química Industrial, 731: 7–12.

Silva M.A. (2012) A fetichização do livro didático no Brasil. Educação & Realidade, 37(3): 803–821.

Silva R.E.V. (2015) A utilização de multimídias no ensino de ciências naturais. Revista Contribuciones a las Ciencias Sociales, 1(29): 1–11.

Silva-Batista I.C. & Moraes R.R. (2019) História do ensino de Ciências na Educação Básica no Brasil (do Império até os dias atuais). Revista Educação Pública, 19(26): 1–2.

Souza A.R. (2013) O professor da educação básica no Brasil: identidade e trabalho. Educar em Revista, 29(48): 53–74.

Souza A.R. & Gouveia A.B. (2011) Os trabalhadores docentes da educação Brasil em uma leitura possível das políticas educacionais. Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, 19(35): 1–22.

Souza D.G., Miranda J.C. & Souza F.S. (2020) Impactos positivos e negativos do Subprojeto PIBID Ciências Naturais na formação docente. Revista de Educação, Ciência e Cultura, 25(2): 205–219.




DOI: http://dx.doi.org/10.29215/pecen.v5i0.1769

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Autor e Revista mantêm os direitos da publicação

____________________________________________
Pesquisa e Ensino em Ciências Exatas e da Natureza
Unidade Acadêmica de Ciências Exatas e da Natureza - CFP - UFCG
Cajazeiras - PB, Brasil
(ISSN 2526-8236)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

INDEX COPERNICUS INTERNACIONAL

 

ICI WORLD OF JOURNALS