Acidentes ofídicos na Região do Cariri, estado do Ceará, Brasil

Francisca Fernanda Moura Novais, Glória Maria Cardoso de Lacerda, Samuel Cardozo Ribeiro

Resumo


Ofidismo é o envenenamento causado pela mordida de serpentes venenosas. O presente estudo objetivou analisar o perfil dos acidentes ofídicos na região do Cariri, estado do Ceará, Brasil, de 2007 a 2016. Foram analisados o total de 2371 casos de acidentes ofídicos, na qual o município com maior número de registros foi Barbalha (616 casos). Os acidentes foram mais frequentes com homens (1405) e com idade entre 20 e 39 anos (809 ocorrências). O número de acidentes por mês foi maior de março a junho, coincidindo com o pico das chuvas na região. O gênero associado com os acidentes foi, principalmente, Bothrops (581 casos), seguido por Crotalus (44) e Micrurus (18). Em sua maioria (1682 casos), os acidentes foram considerados como de grau leve. Sobre o tratamento, todos evoluíram para cura, exceto por duas vítimas fatais. São necessárias políticas públicas de saúde no Cariri, Ceará, que busquem esclarecer à sociedade sobre ofidismo, visando reduzir a incidência dos acidentes, considerando principalmente os trabalhadores rurais, e usuários de áreas de lazer diretamente na natureza.


Texto completo:

PDF

Referências


Albuquerque H.N., Costa T.B.G. & Cavalcanti M.L.F. (2004) Estudo dos acidentes ofídicos provocados por serpentes do gênero Bothrops notificados no estado da Paraíba. Revista de Biologia e Ciências da Terra, 5(1): 1–8.

Araújo S.C.M. & Andrade E.B. (2019) Aspectos epidemiológicos dos acidentes ofídicos ocorridos no estado do Piauí, Nordeste do Brasil, entre os anos de 2003 e 2017. Pesquisa e Ensino em Ciências Exatas e da Natureza, 3(2): 154–165. http://dx.doi.org/10.29215/pecen.v3i2.1265

Barbosa I.R., Medeiros W.R & Costa I.C. (2015) Distribuição espacial dos acidentes por animais peçonhentos no estado do Rio Grande do Norte-Brasil no período de 2001-2010. Caminhos de Geografia – revista on line, 16(53): 55–64.

Belmiro J.F.B. (2015) Epidemiologia dos acidentes ofídicos, estado do Ceará, Brasil (2007-2013). Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Ciências Naturais e Biotecnologia), Universidade Federal de Campina Grande, Cuité, Paraíba.

Bernarde P.S. (2012) Anfíbios e Répteis: Introdução ao Estudo da Herpetofauna Brasileira. Curitiba: Anolis Books. 320 p.

Bertolozzi M.R., Scatena C.M. & Franca F.O. (2015) Vulnerabilities in snakebites in São Paulo, Brazil. Revista Saúde Pública, 49: 82. https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2015049005839

Bochner R. & Struchiner J.C. (2003) Epidemiologia dos acidentes ofídicos nos últimos 100 anos no Brasil: uma revisão. Caderneta Saúde Pública, 19(1): 7–16. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2003000100002

Bochner R., Fiszon J.T. & Machado C. (2014) A Profile of snakebites in Brazil, 2001 to 2012. Journal of Clinical Toxicology, 4: 194. https://doi.org/10.4172/2161-0495.1000194

BRASIL (2017a) Manual de diagnóstico e tratamento de acidentes por animais peçonhentos. 2° edição. Brasília: Fundação Nacional de Saúde. 120 p.

BRASIL (2017b) Guia de vigilância em epidemiológica: volume único (recurso eletrônico). Ministério da Saúde. Secretaria de Saúde. Coordenação Geral do desenvolvimento da epidemiologia em serviços. 2° edição. Brasília: Ministério da Saúde. 705 p.

Brito A.C. & Barbosa I.R. (2012) Epidemiologia dos acidentes ofídicos no estado do Rio Grande do Norte. ConScientiae Saúde, 11(4): 535–542. https://doi.org/10.5585/conssaude.v11n4.3967

Bucaretchi F., Herrera S.R.F., Hyslop S., Baracat E.C.E. & Vieira R.J. (2001) Snakebites by Bothrops spp. in children in Campinas, São Paulo, Brazil. Revista Instituto Medicina Tropical de São Paulo, 43(6): 329–333. https://doi.org/10.1590/S0036-46652001000600006

Citeli N., De-Carvalho M., Carvalho B.M., Magalhães M.A.F.M. & Bochner R. (2020) Bushmaster bites in Brazil: ecological niche modeling and spatial analysis to improve human health measures. Cuadernos de Herpetologia, 34(2): 135–143. https://doi.org/10.31017/CdH.2020.(2019-033)

Costa H.C., Guedes T.B. & Bérnils R.S. (2021) Lista de répteis do Brasil: padrões e tendências. Herpetologia Brasileira, 10(3): 111–279. https://doi.org/10.5281/zenodo.5838950

D’Agostini F.M., Chagas F.B. & Beltrame V. (2011) Epidemiologia dos acidentes por serpentes no município de Concórdia, SC no período de 2007 a 2010. Evidência, 11(1): 51–60.

Feitosa A.K. & Oliveira C.W. (2020) Perfil agrossocioeconômico de produtores rurais na região metropolitana do Cariri cearense. Revista Geonorte, 11(38): 186–199. https://doi.org/10.21170/geonorte.2020.V.11.N.38.186.199

Feitosa R.F.G., Melo I.M.L.A. & Monteiro H.S.A. (1997) Epidemiologia dos acidentes por serpentes peçonhentas no estado do Ceará - Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 30(4): 295–301. https://doi.org/10.1590/S0037-86821997000400004

Feitosa E.S., Sampaio V., Sachett J., Castro D.B., Noronha M., Lozano J.L., Muniz E., Ferreira L.C., Lacerda M.V. & Monteiro W.M. (2015) Snakebites as a largely neglected problem in the Brazilian Amazon: highlights of the epidemiological trends in the State of Amazonas. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 48(1): 34–41. https://doi.org/10.1590/0037-8682-0105-2013

Fiszon J.T. & Bochner R. (2008) Underreporting of accidents with venomous animals registered by SINAN in the State of Rio de Janeiro from 2001 to 2005. Revista Brasileira de Epidemiologia, 11(1): 114–127.

Gonzalez R.C., Abegg A.D., Mendes D.M.M., Silva M.B., Machado-Filho P.R., Mario-da-Rosa C., Passos D.C., Vaz Ribeiro M., Benício R.A. & Oliveira J.C.F. (2020) Lista dos nomes populares dos répteis no Brasil – Primeira Versão. Herpetologia Brasileira, 9(2): 121–214.

Gutiérrez J. (2020) Snakebite envenoming from an Ecohealth perspective. Toxicon, X: 100043. https://doi.org/10.1016/j.toxcx.2020.100043

INMET (2016) Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa. Disponível em: http://www.inmet.gov.br/projetos/rede/pesquisa/ (Acessado em 19/06/2016).

IPECE (2017) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. Disponível em: http://www.ipece.ce.gov.br/ (Acessado em 20/08/2018).

Leite R.S., Targino I.T.G., Lopes Y.A.C.F., Barros R.M. & Vieira A.A. (2013) Epidemiology of snakebite accidents in the municipalities of the state of Paraíba, Brazil. Ciência & Saúde Coletiva, 18(5): 1463–1471. https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000500032

Lemos J.C., Almeida T.D., Fook S.M.L., Paiva A.A. & Simões M.O.S. (2009) Epidemiologia dos acidentes ofídicos notificados pelo Centro de Assistência e Informação Toxicológica de Campina Grande (Ceatox-CG), Paraíba. Revista Brasileira de Epidemiologia, 12(1): 50–59. https://doi.org/10.1590/S1415-790X2009000100006

Lima A.C.S.F., Campos C.E.C. & Ribeiro J.R. (2009) Perfil epidemiológico de acidentes ofídicos do estado do Amapá. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 42(3): 329–335. https://doi.org/10.1590/S0037-86822009000300017

Machado C., Bochner R. & Fiszon J.T. (2012) Epidemiological profile of snakebites in Rio de Janeiro, Brazil, 2001-2006. Journal of Venomous Animals and Toxins Including Tropical Diseases, 18(2): 217–24. https://doi.org/10.1590/S1678-91992012000200012

Menegucci R.C., Bernarde P.S., Monteiro W.M., Neto P.F. & Martins M. (2019) Envenomation by na opistoglophous sanke, Erythrolamprus aesculapii (Dipsadidae), in southeastern Brazil. Journal of the Brazilian Society of Tropical Medicine, 52: 1–3. https://doi.org/10.1590/0037-8682-0055–2019

Mise Y.F., Lira R.M.S. & Carvalho F.M. (2016) Agriculture and snakebite in Bahia, Brazil – An ecological study. Annals of Agricultural and Environmental Medicine, 23(3): 416–419. https://doi.org/10.5604/12321966.1219179

Moraes A.R.C.S, Silva R.C. & Santos E.C. (2021) Aspectos epidemiológicos dos acidentes ofídicos na região nordeste no período entre 2016-2019. Revista Interdisciplinar em Saúde, 8(único): 226–238. https://doi.org/10.35621/23587490

Moreno E., Andrade Q.M., Silva L.R. & Neto J.T. (2005) Características clínico-epidemiológicas dos acidentes ofídicos em Rio Branco, Acre. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 38(1): 15–21. https://doi.org/10.1590/S0037-86822005000100004

Mota-da-Silva A., Monteiro W.M. & Bernarde P.S. (2018) Popular names for bushmaster (Lachesis muta) and lancehead (Bothrops atrox) snakes in Alto Juruá region: repercussions for clinical-epidemiological diagnoses and surveillance. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 52: e-20180140. https://doi.org/10.1590/0037-8682-0140-2018

Nascimento L.S., Júnior U.R.C & Braga J.R.M. (2017) Perfil epidemiológico do ofidismo no estado da Bahia (2010-2015). Journal of Basic Education, Technical and Technological, 4(2): 4–16.

Novais F.F.M. (2017) Perfil dos acidentes ofídicos na Cidade de Brejo Santo, Ceará, Brasil. Monografia (Graduação em Licenciatura Interdisciplinar em Ciências Naturais e Matemática). Universidade Federal do Cariri, Instituto de Formação de Educadores, Brejo Santo, Ceará.

Oliveira F.N., Brito M.T., Morais I.C.O., Fook S.M.L. & Albuquerque H.N. (2010) Accidents caused by Bothrops and Bothropoides in the State of Paraíba: epidemiological and clinical aspects. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 43(6): 662–667.

https://doi.org/10.1590/S0037-86822010000600012

Oliveira H.F.A., Leite R.S. & Costa C.F. (2011) Aspectos clínico-epidemiológicos de acidentes com serpentes peçonhentas no município de Cuité, Paraíba, Brasil. Gazeta Médica da Bahia, 81(1): 14–19.

Pereira Filho G.A., Vieira W.L.S. & França F.G.R. (2020) Serpentes de Importância Médica no Brasil (p. 281–303). In: Donato M.F., Lima C.M.B.L., Pessoa H. de L.F. & Diniz M. de F.F.M. (Eds). Bioprospecção e Inovação Tecnológica de Produtos Naturais e Derivados de Plantas e Animais. João Pessoa: Editora UFPB. 551 p.

Pinho F.M.O. & Pereira I.D. (2001) Ofidismo. Revista da Associação de Medicina Brasileira, 47(1): 24–29.

Ribeiro S.C., Roberto I.J., Sales D.L., Avila R.W. & Almeida W.O. (2012) Amphibians and reptiles from the Araripe bioregion, northeastern Brazil. Salamandra, 48(3): 133–146.

Rita T.S., Sisenando H.A. & Machado C. (2016) Análise epidemiológica dos acidentes ofídicos no munícipio de Teresópolis – RJ no período de 2007 a 2010. Revista Ciência Plural, 2(2): 28–41.

Roberto I.J. & Loebmann C. (2016) Composition, distribution patterns, and conservation priority areas for the herpetofauna of the estate of Ceará, northeastern Brazil. Salamandra, 52(2): 134–152.

Rojas C.A., Gonçalves M.R. & Almeida S.S.M. (2007) Epidemiologia dos acidentes ofídicos na região noroeste do estado de São Paulo, Brasil. Revista Brasileira Saúde, 8: 193–204.

Saraiva M.G., Oliveira D.S., Fernandes G.M.C.F. & Coutinho L.G.J.V. (2012) Perfil epidemiológico dos acidentes ofídicos no estado da Paraíba, Brasil, 2005 a 2010. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 21(3): 449–56. https://doi.org/10.5123/S1679-49742012000300010

Silva A.M., Bernarde P.S. & Abreu L.C. (2015) Acidentes com animais peçonhentos no Brasil por sexo e idade. Journal of Human Growth and Development, 25(1): 54–62. http://dx.doi.org/10.7322/JHGD.96768

Silva A.M., Mendes V.K.G., Monteiro W.M. & Bernard P.S. (2019) Non-venomus snakebites in the Western Brazilian Amazon. Journal of the Brazilian Society of Tropical Medicine, 52: e20190120. http://dx.doi.org/10.1590/0037-8682-0120-2019

Silveira J.L. & Machado C. (2017) Epidemiologia dos acidentes por animais peçonhentos nos municípios do sul de Minas Gerais. Journal Health NPEPS, 2(1): 88–101.

https://doi.org/10.30681/25261010

SINAN (2018) Sistema de Informação de Agravo de Notificação. Disponível em: http://www. Portalsinan.saude.gov.br (Acessado em 06/06/2018)




DOI: http://dx.doi.org/10.29215/pecen.v6i0.1733

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Autor e Revista mantêm os direitos da publicação

____________________________________________
Pesquisa e Ensino em Ciências Exatas e da Natureza
Unidade Acadêmica de Ciências Exatas e da Natureza - CFP - UFCG
Cajazeiras - PB, Brasil
(ISSN 2526-8236)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

INDEX COPERNICUS INTERNACIONAL

 

ICI WORLD OF JOURNALS