Distribuição da mortalidade por cânceres ginecológicos no estado da Paraíba

Girleide Santos do Nascimento, Kelvyn Kennedy de Figueiredo Silva, Bruna Braga Dantas

Resumo


Nas mulheres, os cânceres ginecológicos (CG) estão entre as enfermidades mais comuns, tornando-se problema de saúde mundial. Objetivou-se analisar a distribuição do perfil de mortalidade por CG em mesorregiões da Paraíba, durante o período de 1989 a 2018. Trata-se de uma abordagem ecológica, de série temporal, quantitativa e espacial. Os dados foram extraídos do atlas de mortalidade on-line do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). A média de óbitos por CG na Paraíba foi equivalente a 1145.5, com maior número de mortes na mesorregião da Mata Paraibana (2056) e no Agreste Paraibano (1358). Todas as mesorregiões apresentaram um crescimento contínuo da média de óbitos ao longo dos anos, sendo maior aumento de óbitos na Borborema (4.5x). Quanto aos tipos de CG, observou-se que a maior média de mortes foi para câncer de colo de útero (227.8) na Mata Paraibana e a menor média de mortes ocorreu na região da Borborema, para câncer de vagina (1.0). Em todas as regiões, foi mais frequente mortes por câncer de útero, seguido de útero Sem Outra Especificação (SOE), ovário, corpo do útero, outros órgãos genitais, vulva e vagina. Conclui-se que há uma crescente mortalidade por CG em toda a Paraíba, com uma heterogeneidade entre regiões e entre tipos de cânceres.  

Palavras chave: Epidemiologia, mortalidade, saúde da mulher, neoplasia por genitais femininas.


Texto completo:

PDF

Referências


Adams T.S. & Cuello M.A. (2018) Cancer of the vagina. International Journal of Gynecology & Obstetrics, 143(2): 14–21. https://doi.org/10.1002/ijgo.12610

Barbosa I.R, Costa I.C.C, Pérez M.M.B. & Souza D.L.B. (2015) Tendências e Projeções da Mortalidade pelos Cânceres Específicos ao Gênero no Brasil. Tese (Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Centro de Ciências da Saúde, Natal, Rio Grande do Norte.

Borges D.M.L., Sena M.F., Ferreira M.A.F. & Roncalli A.G. (2009) Mortalidade por câncer de boca e condição sócio-econômica no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 25(2): 321–327.

https://doi.org/10.1590/S0102-311X2009000200010

Bray F. & Soerjomataram I. (2015) The changing global burden of cancer: transitions in human development and implications for cancer prevention and control (p. 5–25). In: Gelband H., Bank W., Sankaranarayanan R., Jha P. & Horton S. (Eds). Disease control priorities: Cancer. 3º edition. Washington: World Bank Publications. 363 p. https://doi.org/10.1596/978-1-4648-0349-9_ch2

Bray F., Ferlay J., Soerjomataram I., Siegel R.L., Torre L.A. & Jemail A. (2018) Global cancer statistics 2018: GLOBOCAN estimates of incidence and mortality worldwide for 36 cancers in 185 countries. CA: A Cancer Journal for Clinicians, 68(6): 394–424.

https://doi.org/10.3322/caac.21492

Camargo J.D.A.S. (2019) Evolução temporal da mortalidade por câncer de mama nos estados da Região Nordeste sob a perspectiva dos efeitos idade, período e coorte. Dissertação (Programa de Pós-graduação em Demografia). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Centro de Ciências Exatas e da Terra, Natal, Rio Grande do Norte.

Carvalho J.B. & Paes N.A. (2019) Desigualdades socioeconômicas na mortalidade por câncer de mama em microrregiões do Nordeste brasileiro. Revista Brasileira Saúde Materna Infantil, 19(2): 401–410. https://doi.org/10.1590/1806-93042019000200008

Costa R.S.L., Silva M.V.R. & Souza T.N. (2018) Fatores que levam a não adesão ao exame preventivo do câncer do colo uterino em uma unidade de saúde do Acre em 2014. DêCiência em Foco, 2(2): 5–18.

Duarte D.A.P. (2016) Iniquidade social e câncer em mulheres: análise da Mortalidade por Câncer de Mama e Colo do Útero nas Microrregiões de Saúde de Minas Gerais no Período de 2008-2012. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva). Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais.

Esteve A.B., Planell C.D.C. & Marqués F.M.P. (2016) Cáncer de vulva em lamujerjoven no asociado a infección por virusdel papiloma humano: a propósito de um caso. Clínica e Investigación em Ginecología y Obstetrícia, 43(2): 89–91.

https://doi.org/10.1016/j.gine.2014.12.014

Evcili F. & Bekar M. (2020) Prevention of gynecological cancers: the affecting factors and knowledge levels of Turkish women. Journal of Health Research, 34(5): 431–441.

https://doi.org/10.1108/JHR-07-2019-0171

Ferlay J., Colombet M., Soerjomataram I., Mathers C., Parkin D.M., Piñeros M., Znaor A. & Bray F. (2018) Estimating the global cancer incidence and mortality in 2018: GLOBOCAN sources and methods. International Journal of Cancer, 144(8): 1941–1953.

https://doi.org/10.1002/ijc.31937

Guimarães R.M., Muzi C.D., Teixeira M.P. & Pinheiro S.S. (2016) A transição da mortalidade por cânceres no Brasil e a tomada de decisão estratégica nas políticas públicas de saúde da mulher. Revista de Políticas Públicas, 20(1): 33–50.

https://doi.org/10.18764/2178-2865.v20n1p35-50

Hailu H.E., Mondul A.M., Rozek L.S. & Geleta T. (2020) Descriptive Epidemiology of breast and gynecological cancers among patients attending Saint Paul's Hospital Millennium Medical College, Ethiopia. PLoS ONE, 15(3): 1–11. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0230625

INCA (2020a) Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Estimativa 2020. Rio de Janeiro: INCA.

INCA (2020b) Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Atlas on-line de mortalidade. Rio de Janeiro: INCA.

Kemo A.D.D., Nkegoum B., Nangue C., Djuikwo F., Bita'a L.B. & Tebeu P.M. (2019) Histo-epidemiological of gynecological and breast cancers at the University Teaching Hospital of Yaoundé. The Pan African Medical Journal, 33(130): 1–10.

https://doi.org/10.11604/pamj.2019.33.130.18874

Lima E.E.C. & Queiroz B.L. (2014) Evolution of the deaths registry system in Brazil: associations with changes in the mortality profile, under-registration of death counts, and ill-defined causes of death. Cadernos de Saúde Pública, 30(8): 1721–1730.

https://doi.org/10.1590/0102-311X00131113

Maheshwari A., Kumar N. & Mahantshetty U. (2016) Gynecological cancers: A summary of published Indian data. South Asian Journal of Cancer, 5(3): 112–120.

https://doi.org/10.4103/2278-330X.187575

Meira K.C., Santos J., Silva C.M.F.P., Ferreira A.A., Guimarães R.M. & Simões T.C. (2019) Efeitos da idade-período e coorte na mortalidade por câncer do ovário no Brasil e suas grandes regiões. Cadernos de Saúde Pública, 35(3): 1–15. https://doi.org/10.1590/0102-311x00087018

Moradi‐Marjaneh R., Hassanian S.M., Hasanzadeh M., Rezayi M., Maftouh M., Mehramiz M., Ferns G.A., Khazaei M. & Avan A. (2019) Therapeutic potential of toll‐like receptors in treatment of gynecological cancers. IUBMB Life, 71(5): 549–564.

https://doi.org/10.1002/iub.2011

Nascimento G.S., Silva A.S., Oliveira C.B.S. & Dantas B.B. (2020) Taxa de Mortalidade por Câncer de Ovário na Região Nordeste do Brasil (p 1084–1101). In: One G.M.C. & Porto M.L.S. (Eds). Saúde a Serviço da Vida. Volume 2. João Pessoa: IDEA. 1140 p.

Paul E.N.J., Charlotte T.N., Jules O.M.L., Godefroy S., Daniel E.S.J., Michelle E.F.A., Louis E.O.J. & Alan H. (2016) Epidemiological and Histological Profile of Cervical Cancer in Cameroon: About 2078 Cases. Open Journal of Obstetrics and Gynecology, 6(4): 1–8.

https://doi.org/10.4236/ojog.2016.64029

Pereira B.E. & Santos E.S.B.T (2020) Consumo de carne vermelha e processada associados a oncologia: a importância do acompanhamento e intervenção nutricional. Monografia (Bacharelado em Nutrição). Faculdade de Ciências da Educação e Saúde, Centro Universitário de Brasília, Brasília.

Pereira D.S., Nogueira J.A.D. & Silva C.A.B. (2015) Qualidade de vida e situação de saúde de idosos: um estudo de base populacional no Sertão Central do Ceará. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 18(4): 893–908. https://doi.org/10.1590/1809-9823.2015.14123

Petry S., Padilha M.I., Kuhnen A.E. & Meirelles B.H.S. (2019) Saberes de estudantes de enfermagem sobre a prevenção de Infecções Sexualmente Transmissíveis. Revista Brasileira de Enfermagem, 72(5): 1145–1152. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0801

Simões L.P. & Zanusso Junior G. (2019) Vírus hpv e o desenvolvimento de câncer de colo de útero - uma revisão bibliográfica. Revista Uningá, 56(1): 98–107.

Sousa J.D. (2020) Prevalência global de câncer ginecológico desafios no diagnóstico e tratamento. Monografia (Programa de Pós-Graduação em Aplicações Complementares às Ciências Militares). Escola de Saúde do Exército, Rio de Janeiro.

Torres-Pereira C.C., Angelim-Dias A., Melo N.S., Lemos Jr. C.A. & Oliveira E.M.F. (2012) Abordagem do câncer da boca: uma estratégia para os níveis primário e secundário de atenção em saúde. Caderno de Saúde Pública, 28: 30–39. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012001300005




DOI: http://dx.doi.org/10.29215/pecen.v5i0.1629

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Autor e Revista mantêm os direitos da publicação

____________________________________________
Pesquisa e Ensino em Ciências Exatas e da Natureza
Unidade Acadêmica de Ciências Exatas e da Natureza - CFP - UFCG
Cajazeiras - PB, Brasil
(ISSN 2526-8236)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

INDEX COPERNICUS INTERNACIONAL

 

ICI WORLD OF JOURNALS