Neoplasia maligna da mama: perfil dos óbitos de pacientes no estado de Alagoas (Brasil) entre 2014–2020

Elinadja Targino do Nascimento

Resumo


O surgimento da neoplasia maligna da mama decorre da interação de fatores genéticos e ambientais. A indicativa ocorre de rotina, anualmente, com início a partir dos 40 anos de idade em todas as mulheres sem fatores de risco. O objetivo da pesquisa foi analisar a morbimortalidade de mulheres com neoplasia maligna da mama, que decorreram a óbito, de janeiro de 2014 a agosto de 2020. Trata-se de um estudo transversal, retrospectivo e exploratório. A população do estudo foi composta por todos os casos de morbimortalidade hospitalar por neoplasia maligna da mama a partir de 40 anos, que foram a óbito em Alagoas no período supracitado, disponíveis no Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS) e no Sistema de Informação Hospitalar (SIH). Com isso, em Alagoas, entre janeiro de 2014 e agosto de 2020 foram notificados 473 óbitos dos casos de neoplasia maligna da mama. Destes, 88 (18.6%) entre 50 a 54 anos; 370 (78.2%) possuindo caráter de emergência; e 345 (72.9%) de cor/raça parda. Portanto, diante do exposto, tais indicadores demonstram que a morbimortalidade poderia ser evitada ao se verificar que a maioria dos óbitos registrados no sistema foram de caráter de urgência.

Palavras chave: Neoplasia, SINAN, epidemiologia, saúde pública.


Texto completo:

PDF

Referências


Azevedo D.B., Moreira J.C., Gouveia P.A., Tobias G.C. & Morais Neto O.L. (2007) Perfil das mulheres com câncer de mama. Revista de Enfermagem UFPE On Line, 11(6): 2264–2272. https://doi.org/10.5205/reuol.10827-96111-1-ED.1106201702

Campana H.C.R. (2007) Perfil de mulheres com câncer de mama. Maringá: Universidade Estadual de Maringá. 99 p.

Clagnan W.S., Andrade J.M., Carrara H.H.A., Tiezzi D.G., Reis F.J.C., Marana H.R.C. & Abrão R.A. (2008) Idade como fator independente de prognóstico no câncer de mama. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, 30 (2): 67–74. https://doi.org/10.1590/S0100-72032008000200004

Coelho J.M, Vianna L.L. & Silva H.M.S. (2005) Propedêutica em Mastologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 549 p.

Dugno M.L.G., Soldatelli J.S., Daltoé T., Rosado J.O., Spada P. & Formolo F. (2014) Perfil do câncer de mama e relação entre fatores de risco e estadiamento clínico em hospital do Sul do Brasil. Revista Brasileira de Oncologia Clínica, 10(36): 60–66.

Filho V.W. & Moncau J.E. (2002) Mortalidade por câncer no Brasil 1980–1995: padrões regionais e tendências temporais. Revista da Associação Médica Brasileira, 48(3): 250–257.

https://doi.org/10.1590/S0104-42302002000300040

Godinho E.R. & Koch H.A. (2004) Rastreamento do câncer de mama: aspectos relacionados ao médico. Radiologia Brasileira, 37(2): 91–99. https://doi.org/10.1590/S0100-39842004000200006

Gonçalves L.L.C., Lima A.V., Brito E.S., Oliveira M.M., Oliveira L.A.R., Abud A.C.F., Daltro A.S.T., Barros A.M.M.S. & Guimarães U.V. (2010) Fatores de Risco para câncer de mama em mulheres assistidas em ambulatório de Oncologia. Revista Enfermagem UERJ, 18(3): 468–472.

Hoskins K.F., Stopfer J.E., Calzone K.A., Merajner S.D., Rebbeck T.R., Garber J.E. & Weber B.L. (1995) Assessment and counseling for women with a family history of breast cancer: a guide for clinicians. Journal of the American Medical Association, 273(7): 577–585.

https://doi.org/10.1001/jama.273.7.577

IBGE (2002) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Área territorial oficial: consulta por Unidade da Federação. Disponível em: http://www. ibge.gov.br/home/geociencias/areaterritori

al/principal.shtm (Acessado em 02/04/2020).

INCA (2003) Instituto Nacional do Câncer. Ministério da Saúde. Estimativas da incidência e mortalidade por câncer. Disponível em: http://www1.inca.gov.br/releases/press_release_view_a

rq.asp?ID=34 (Acessado em 20/11/2020).

INCA (2020) Instituto Nacional do Câncer. Câncer de mama. Disponível em: https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-de-mama/profissional-de-saude#r6 (Acessado em 30/11/2020).

Oliveira M.M.C., Torresan C., Oliveira S.F.V., Torrezan G.T., Abuazar C.S., Lima R.S., Urban C.A., Cavalli L.R., Ribeiro E.M.S.F. & Cavalli I.G. (2009) Epidemiologia do câncer de mama em pacientes do Sul do Brasil. Boletim Epidemiológico Paulista (Online), 6(63): 4–14.

Paiva C.E., Ribeiro B.S., Godinho A.A., Meirelles R.S.P., Silva E.V.G., Marques G.D’A. & Júnior O.R. (2002) Fatores de Risco para Câncer de Mama em Juiz de Fora (MG): um estudo caso controle. Revista Brasileira de Cancerologia, 48(2): 231–237.

Peto J. & Houlston R.S. (2001) Genetics and the common cancer. European Journal of Cancer, 37(8): 88–96. https://doi.org/10.1016/S0959-8049(01)00255-6

Pirhardt C.R. & Mercês N.N.A. (2009) Fatores de risco para câncer de mama: nível de conhecimento dos acadêmicos de uma universidade. Revista Enfermagem UERJ, 17(1): 102–106.

Rezende M.C.R., Koch H.A., Figueiredo J.A. & Thuller L.C.S. (2009) Causas do retardo na confirmação diagnóstica de lesões mamárias em mulheres atendidas em um centro de referência do sistema único de saúde no Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, 31(2): 75–81. https://doi.org/10.1590/S0100-72032009000200005

Soares P.B.M., Quirino Filho S., Souza W.P., Gonçalves R.C.R., Martelli D.R.B., Silveira M.F. & Martelli Júnior H. (2012) Características das mulheres com câncer de mama assistidas em serviços de referência do Norte de Minas Gerais. Revista Brasileira de Epidemiologia, 15(3): 595–604. https://doi.org/10.1590/S1415-790X2012000300013

Souza C.B., Fustinoni S.M., Amorim M.H.C., Zandonade E., Matos J.C. & Schirmer J. (2015) Estudo do tempo entre o diagnóstico e início do tratamento do câncer de mama em idosas de um hospital de referência em São Paulo, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 20(12): 3805–3816. https://doi.org/10.1590/1413-812320152012.00422015

Thornton H. & Pillarisetti R.R. (2008) 'Breast awareness' and 'breast self-examination' are not the same. What do these terms mean? Why are they confused? What can we do? European Journal of Cancer, 44(15): 2118–2121. https://doi.org/10.1016/j.ejca.2008.08.015

WHO (2007) World Health Organization. Prevention. Cancer control: knowledge into action: WHO guide for effective programmes. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/hand

le/10665/43743/9241547338_eng.pdf (Acessado em 20/11/2020).

WHO (2008) World Health Organization. International Agency for Research on Cancer. Globocan. Disponível em: http://globocan.iarc.fr/ (Acessado em 20/11/2020).

Ziegler R.G., Hoover R.N., Pike M.C., Hildesheim A., Nomura A.M.Y., West D.W., Wu-Willians A.H., Kolonel L.N., Horn-Ross P.L., Rosenthal J.F. & Hyer M.B. (1993) Migration patterns and breast cancer risk in Asian-American women. Journal of the National Cancer Institute, 85(22): 1819–1827. https://doi.org/10.1093/jnci/85.22.1819




DOI: http://dx.doi.org/10.29215/pecen.v5i0.1628

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Autor e Revista mantêm os direitos da publicação

____________________________________________
Pesquisa e Ensino em Ciências Exatas e da Natureza
Unidade Acadêmica de Ciências Exatas e da Natureza - CFP - UFCG
Cajazeiras - PB, Brasil
(ISSN 2526-8236)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

INDEX COPERNICUS INTERNACIONAL

 

ICI WORLD OF JOURNALS