O patrimônio naval e o seu estudo pela Arqueologia: algumas considerações

Ticiano Alves

Resumo


Nascida do desejo do ser humano de buscar novos horizontes, estreitar relações comerciais e expandir territórios, a arte e a ciência de se deslocar sobre as águas se fez presente na história de pequenas e grandes civilizações às margens de corpos d’água. Atreladas à navegação estão uma série de elementos únicos, endêmicos desse ambiente de chão inconstante, dando origem, em terra e na água, a um amplo e diversificado patrimônio, o naval. Este artigo objetiva apresentar as principais características do patrimônio naval e trazer algumas considerações sobre o estudo desse patrimônio pela Arqueologia.

Palavras chave: Cultura material, comunidade naval, pesquisa arqueológica, Arqueologia Subaquática.


Texto completo:

PDF

Referências


Alves T. (2016) Mecanismos de formação de rotas marítimas no Atlântico para os séculos XIX e XX. Jornadas do Mar. Escola Naval. Novos Rumos, Novos Desafios. Almada: Base Naval de Lisboa, 10: 212–221.

Alves T. (2019) Navegações Marítimas Mercantes no Extremo Oriental das Américas-1850-1950. Volume 2. Tese (Programa de Pós-Graduação em Arqueologia). Universidade de Coimbra, Faculdade de Letras, Coimbra, Portugal.

Barros J.D'A. (2009) História da Cultura Material: notas sobre um campo histórico em suas relações intradisciplinares e interdisciplinares. Patrimoniuss: 1–17.

Bettencourt J. & Carvalho P. (2011) A história submersa na baía da Horta: resultados preliminares dos trabalhos arqueológicos no “naufrágio do marfim” (primeiro quartel do século XVIII). O Faial e a Periferia Açoriana nos séculos XV a XIX. Actas do V Colóquio: 139–152.

Bettencourt J., Carvalho P. & Caleja P. (2003) Relatórios dos trabalhos efectuados em 2002 nos sítios de Arade B2 e C no âmbito do projecto ProArade. Lisboa: Centro Nacional de Arqueologia Náutica e Subaquática. 78 p.

Borges B.G. (2011) Ferrovia e modernidade. Revista UFG, 13(11): 27–36.

Clark C. (2005) Coming into the light: the rediscovery and reuse of naval heritage buildings. WIT transactions on the built environment, 79: 33–44. https://doi.org/10.2495/MH050041

Claudino M.F. (2012) Forte de São Lourenço (Olhão): Arqueologia e História de uma Fortificação Moderna. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Arqueologia). Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Lisboa, Portugal.

Covington R. (2009) Uncovering Yenikapi. Houston: Saudi Aramco World. Volume 60. p. 8–17.

Freire J., Bettencourt J.A., Lopes G., Baptista B. & Baço J. (2012) Valorização do Património Cultural Subaquático de Cascais – Oeiras. O Complexo arqueológico de São Julião da Barra. Jornadas do Mar. Escola Naval. O reencontro com o mar no século XXI. Almada: Base Naval de Lisboa, 8: 348–352.

Goularti Filho A. (2007) Melhoramentos, reaparelhamentos e modernização dos portos brasileiros: a longa e constante espera. Economia e Sociedade, 16(3): 455–489. https://doi.org/10.1590/S0104-06182007000300007

Henry M. (2006) Villes portuaires en mutation. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Geografia). Université de Lausanne, Lausanne.

Hollenback K.L. & Schiffer M.B. (2010) Technology and Material Life (p. 313–332). In: Hicks D. & Beaudry M.C. (Eds). The Oxford Handbook of Material Culture Studies. New York: Oxford University Press. https://doi.org/10.1093/oxfordhb/9780199218714.001.0001

Lima T.A. (2011) Cultura material: a dimensão concreta das relações sociais. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi - Ciências Humanas, 6(1): 11–23.

Losada R. (2015) Sinopse - Fundeadouro romano em Olisipo. Documentário: Fundeadouro Romano em Olisitpo. Disponível em: https://goo.gl/o0cle8 (Acesso em: 25/03/2015).

Moberg C.A. (1981) Introdução à Arqueologia. Tradução Maria Raquel Henriques da Silva. Lisboa: Edições 70. 227 p.

Monié F. & Vasconcelos F.N. (2012) Evolução das relações entre cidades e portos: entre lógicas homogeneizantes e dinâmicas de diferenciação. Confins, 2012(15): 1–18. https://doi.org/10.4000/confins.7685

Monié F. & Vidal S.M.S.C. (2006) Cidades, portos e cidades portuárias na era da integração produtiva. Revista de Administração Pública, 40(6): 975–995. https://doi.org/10.1590/S0034-76122006000600003

Natal J.L.A. (1991) Transporte, ocupação do espaço e desenvolvimento capitalista no Brasil: história e perspectivas. Ensaios FEE, 12(2): 293–307.

O PUBLICADOR (1869) Attenção. Parahyba do Norte. 5 de maio 1869. 4 folhas, p. 2. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/215481/5252 (acesso em: 04/08/2017).

Parker A.J. (1992) Ancient Shipwrecks of the Mediterranean & the Roman Provinces. BAR International Series 580. Oxford, England: Hadrian Books Lts. 547 p.

Pomey P., Kahanov Y. & Rieth E. (2012) Transition from Shell to Skeleton in Ancient Mediterranean Ship-Construction: analysis, problems, and future research. The International Journal of Nautical Archaeology, 41(2): 235–314. https://doi.org/10.1111/j.1095-9270.2012.00357.x

Rambelli G. (2002) Arqueologia até debaixo d’água. São Paulo: Maranta. 159 p.

Rambelli G. (2006) Tráfico e navios negreiros: contribuição da Arqueologia Náutica e Subaquática. Revista Navigator, 2(4): 59–72.

Russo J. (2012) A busca do SS Dago. Portugal: National Geographic. p. 141.

Russo J. (2014) O vapor Britânico SS Dago – 1942. Roteiro da exposição "O Tempo Resgatado ao Mar". Lisboa: Museu Nacional de Arqueologia. p. 146–147.

Saraiva F.R.S. (2006) Novíssimo Dicionário Latino-Português. 12 edição. Rio de Janeiro: Livraria Garnier. 1297 p.

Ticcih - The International Committee for the Conservation of the Industrial Heritage (2013) Carta de Nizhny Tagil sobre o Património Industrial. Jul. 2003. Tradução da responsabilidade da APPI – Associação Portuguesa para o Património Industrial. Disponível em: http://ticcih.org/wp-content/uploads/2013/04/NTagilPortuguese.pdf (Acesso em 12/06/2018).

Vasa Museet (2016) Museo Vasa. Disponível em: http://www.vasamuseet.se/pt (Acesso em 21/06/2016).




DOI: http://dx.doi.org/10.29215/pecen.v4i0.1586

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Autor e Revista mantêm os direitos da publicação

____________________________________________
Pesquisa e Ensino em Ciências Exatas e da Natureza
Unidade Acadêmica de Ciências Exatas e da Natureza - CFP - UFCG
Cajazeiras - PB, Brasil
(ISSN 2526-8236)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

INDEX COPERNICUS INTERNACIONAL

 

ICI WORLD OF JOURNALS