Caracterização fitoquímica e atividade antioxidante de Bellucia dichotoma Cogn.

Klenicy Kazumy de Lima Yamaguchi, Valdir da Costa Mendes

Resumo


Bellucia dichotoma Cogn., conhecida como Goiaba-de-anta, é largamente utilizada na medicina popular como antiofídica. O objetivo deste trabalho foi realizar a caracterização química e avaliar a capacidade antioxidante de extratos do fruto dessa espécie. A metodologia consistiu no preparo dos extratos dos frutos em hexano e metanol por meio de técnicas de maceração. Foi realizado a prospecção fitoquímica qualitativa, caracterização Cromatográfica em Camada Delgada (CCD) e avaliação da atividade antioxidante qualitativa. A CCD utilizando como eluente, hexano e acetato de etila (7:3) para substâncias apolares, e clorofórmio e metanol (9:1) para polares, possibilitou a separação de substâncias reveladas com luz UV 254nm e 366nm e por vanilina sulfúrica, além de obter os valores dos Fatores de Retenção (RFs). Na análise da atividade antioxidante frente ao radical livre DPPH, observou-se resultado positivo para o extrato em metanol. Por meio da prospecção fitoquímica no extrato polar, foram detectados metabólicos secundários como antocianidinas, chalconas, leucoantocianidinas e catequinas. Os resultados obtidos demonstram que o fruto apresenta potencial terapêutico e antioxidante estimulando pesquisas futuras para a quantificação dos constituintes químicos e do aprofundamento das análises biológicas.

Palavras chave: Goiaba-de-anta, frutos amazônicos, CCD


Texto completo:

PDF

Referências


Azevedo C.P., Souza C.R., Cordeiro Neto J. & Lima R.M.B. (2018) Potencial energético da goiaba-de-anta (Bellucia dichotoma Cogn.) em vegetação de sub-bosque em plantios comerciais de castanha-do-Brasil (Bertholletia excelsa H&B). Manaus: Embrapa Amazônia Ocidental. 21 p.

Barreto G.P.M., Benassi M.T. & Mercadante A.Z. (2009) Bioactive compounds from several tropical fruits and correlation by multivariate analysis to free radical scavenger activity. Journal of the Brazilian Chemical Society, 20(10): 1856–1861. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-50532009001000013

Boeck P., Leal P.C., Yunes R.A., Cechinel Filho V., Sortino S.L.M., Escalante A., Furlán R.L.E. & Zacchino S. (2005) Antifungal Activity and Studies on Mode of Action of Novel Xanthoxyline‐Derived Chalcones. Archiv der Pharmazie - Chemistry in Life Sciences, 338: 87−95. https://doi.org/10.1002/ardp.200400929

Cavalcante P.B. (1991) Frutas comestíveis da Amazônia. 3° edição. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi Coleção Adolfo Ducke. 279 p.

Cavalcante P.B. (1996) Frutas comestíveis da Amazônia. 6° edição. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi. 220 p.

Cruz A.V.M. & Kaplan M.A.C. (2004) Uso medicinal de espécies das famílias Myrtaceae e Melastomataceae no Brasil. Revista Floresta Ambiente, 11(1): 47–52.

Infinity Pharma (2012) Leucoantocianidinas. Potente protetor contra danos vasculares. Disponivel em: http://infinitypharma.com.br/uploads/insumos/pdf/l/Leucoantocianidina_2.pdf (acesso em: 07/08/2019).

Isaza M., Hipólito J., Orozco L.M., Rivera D.A., Tapias L.J., Ramírez A., Stella L., Veloza C., Angela L. & Zuleta L.M. (2007) Perfiles cromatográficos preliminares por GC-MS de algunas especies de plantas melastomatáceas. Scientia et Technica, 13(33): 359–362.

Kinupp V.F. & Lorenzi H. (2014) Plantas alimentícias não convencionais (PANC) no Brasil: guia de identificação, aspectos nutricionais e receitas ilustradas. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora. 768 p.

Lamarão C.V., Gomes M.L.S., Martins G.A.S., Rolim C.S.S., Yamaguchi K.K.L., Saraiva-Bonatto E.C., Silva C.C. & Veiga Júnior V.F. (2020) Antioxidantes inorgânicos em frutos amazônicos. Brazilian Journal of Development, 6(3): 12237–12253. https://doi.org/10.34117/bjdv6n3-184

Lima P.G.C., Coelho-Ferreira M. & Oliveira R. (2011) Medicinal plants on public fairs and markets of sustainable forest district of BR-163, state of Pará, Brazil. Acta Botanica Brasileira, 25(2): 422–434. https://doi.org/10.1590/S0102-33062011000200018

Marins A.K., Vieira D.F., Quadros I.P.S., Pinheiro P.F., Queiroz V.T. & Costa A.V. (2011) Prospecção fitoquímica das partes aéreas da erva-de-santa-maria (Chenopodium ambrosioides L.). XV Encontro Latino Americano de Iniciação Científica/XI Encontro Latino Americano de Pós-Graduação/V Encontro Latino Americano de Iniciação Científica Jr. São José dos Campos, São Paulo.

Moura V.M., Mourão R.H.V. & Dos-Santos M.C. (2015) Acidentes ofídicos na Região Norte do Brasil e o uso de espécies vegetais como tratamento alternativo e complementar à soroterapia. Science Amazon, 4(1): 73–84. https://doi.org/10.19178/Sci.Amazon.v4i1.73-84

Moura V.M., Sousa L.A.F., Oliveira R.B., Silva A.M.M., Chalkidis H.M., Silva M.N., Pacheco S. & Moura R.H.V. (2013) Inhibition of the principal enzymatic and biological effects of the crude venom of Bothrops atrox by plant extracts. Journal of Medicinal Plants Research, 7: 2330–2337. https://doi.org/10.5897/JMPR2013.5148

Onofre S.B., Santos Z.M.Q., Kagimura F.Y. & Matiello S.P. (2015) Antifungal activity of the aqueous extract of Stachytarpheta cayennensis (Rich.) Vahl. (Verbenaceae) on oral candida species. Journal Medicine Plant Research. 9(2): 42–47. https://doi.org/10.5897/JMPR2014.5667

Rabelo A. (2012) Frutos nativos da Amazônia: comercialização nas feiras de Manaus-AM. Belém: INPA. 235 p.

Sá A.P.C.S. (2008) Potencial antioxidante e aspectos químicos e físicos das frações comestíveis (polpa e cascas) e sementes de Jamelão (Syzygiumcumini, L. Skeels). Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos). Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, Rio de Janeiro.

Sánchez-Moreno C., Larrauri J.A. & Saura-Calixto F. (1998) A procedure to measure the antiradical efficiency of polyphenols. Journal of the Science of Food and Agriculture, 76(2): 270–276. https://doi.org/10.1002/(SICI)1097-0010(199802)76:2<270::AID-JSFA945>3.0.CO;2-9

Schmitz W., Saito Y., Estevão D. & Saridakis O.H. (2005) Chá verde como quimioprotetor. Ciências Biológicas e da Saúde, 26(2): 119–130.

https://doi.org/10.5433/1679-0367.2005v26n2p119

Sousa M.S.B., Vieira L.M., Silva M.J.M. & Lima A. (2011) Caracterização nutricional de compostos antioxidantes em resíduos de polpas tropicais. Ciências e agrotecnologia, 35(3): 554–559.

https://doi.org/10.1590/S1413-70542011000300017

Souza G. (2011) Fatores de Qualidade de frutos. Coletânea Institucional de Tecnologia de Alimentos, 21(1): 20–27.

Wagner H. & Bladt S. (1996) Plant Drug Analysis: A Thin Layer Chromatography Atlas. Berlin: Springer. 384 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.29215/pecen.v4i0.1517

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Autor e Revista mantêm os direitos da publicação

____________________________________________
Pesquisa e Ensino em Ciências Exatas e da Natureza
Unidade Acadêmica de Ciências Exatas e da Natureza - CFP - UFCG
Cajazeiras - PB, Brasil
(ISSN 2526-8236)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

INDEX COPERNICUS INTERNACIONAL

 

ICI WORLD OF JOURNALS