A história da ciência no ensino de física e a vigilância epistemológica

Elio Carlos Ricardo

Resumo


Há várias maneiras de considerar a relação entre a história da ciência e a didática da ciência. Além disso, a teoria da Transposição Didática proposta por Yves Chevallard mostrou as transformações que o conhecimento científico sofre para se tornar um saber ensinado na sala de aula. Porém, ambos ainda são difíceis de serem aplicados pelo professor. Este artigo sugere a vigilância epistemológica como uma ferramenta didática para produzir conteúdos mais significativos no contexto escolar. Nesse caso, a história da ciência é uma importante referência. Para ilustrar esses argumentos, é apresentado um exemplo da mecânica.  

Palavras chave: História da ciência, ensino de Física, transposição didática, vigilância epistemológica.


Texto completo:

PDF

Referências


Astolfi J. (1988) El Aprendizaje de Conceptos Científicos: aspectos epistemológicos, cognitivos y linguísticos. Enseñanza de las Ciencias, 6(2): 147–155.

Bachelard G. (1977) O racionalismo aplicado. Tradução de Nathanael Caixeiro. Rio de Janeiro: Zahar. 221 p.

Blay M. (1995) Les “Principia” de Newton. Paris: Presses Universitaires de France. 247 p.

Blay M. (2002) La Science du Mouvement: de Galilée à Lagrange. Paris: Éditions Belin. 326p.

Caillot M. (1996) La théorie de la transposition didactique est-elle transposable? In: Raisky C. & Caillot M. (éds). Au-delà des didactiques, le didactique: débats autour de concepts fédérateurs. Buxelles: De Boeck & Larcier. 214 p.

Chevallard Y. (1991) La transposición didáctica: del saber sábio al saber enseñado. Buenos Aires: Aique Grupo Editorial. 241 p.

Chevallard Y. (1994) Les processus de transposition didactique e leur théorisation. In: Arsac G., Chevallard Y., Martinand J.-L. & Tiberghien A. (Orgs). La Transposition Didactique à l´Épreuve. Paris: La Pensée Sauvage. 321 p.

Cohen B. & Westfall R. (2002) Newton: textos, antecedentes, comentários. Tradução Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto. 524 p.

Delizoicov D. (1991) Conhecimento, Tensões e Transições. Tese (Programa de Pós-Graduação em Educação). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Driver R. & Easley J. (1978) Pupils and paradigms: a review of literature related to concept development in adolescent science students. Studies in Science Education, 5(1): 61–84.

Duhem P. (1903) L´Évolution de la Mécanique. Paris: Vrin (1992). 473 p.

Forato T. (2009) A Natureza da Ciência como Saber Escolar: um estudo de caso a partir da história da luz. Tese (Programa de Pós-Graduação em Educação). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Forato T., Martins R. & Pietrocola M. (2012) History and Nature of Science in High School: building up parameters to guide educational materials and strategies. Science & Education, 21: 657–682. https://doi.org/10.1007/s11191-011-9419-3

Gilbert J. (1983) Alternative conceptions: which way now? New York: AAPT Winter Meeting.

Gilbert J., Osborne R. & Fensham P. (1982) Children´s science and its consequences for teaching. Science Education, 66(4): 57–73. https://doi.org/10.1002/sce.3730660412

Grant F. (1995) De la Gravitation et du Mouvement. Paris: Gallimard. 112 p.

Harres J.B. (2002) Desenvolvimento histórico da dinâmica: referente para a evolução das concepções dos estudantes sobre força e movimento. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação. 2(2): 89–101.

Höttecke D., Henke A. & Riess F. (2012) Implementing History and Philosophy in Science Teaching: strategies, methods, results and experiences from the European HIPST Project. Science & Education, 21(9): 1233–1261. https://doi.org/10.1007/s11191-010-9330-3

Johsua S. (1997) Le concept de Transposition Didactique peut-il étendre sa portée au delà de la didactique des sciences et des mathématiques? Skholê, 6: 21–35.

Johsua S. & Dupin J. (1993) Introdution à la didactique des sciences et des mathématiques. Paris: Presses Universitaires de France. 234 p.

Kapitango K. (2011) História e Filosofia da Ciência no Ensino de Ciências Naturais: o consenso e as perspectivas a partir de documentos oficiais, pesquisas e visão dos formadores. Tese (Programa de Pós-Graduação em Educação). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Lagrange J-L. (1788) Mécanique Analytique. Paris: Éditions Jacques Gabay. 512 p.

Martins R. (1988) Contribuições do Conhecimento Histórico ao Ensino do Eletromagnetismo. Caderno Catarinense de Ensino de Física, 5(número especial): 49–57.

Matthews M. (1995) História, Filosofia e Ensino de Ciências: a tendência atual de reaproximação. Caderno Catarinense de Ensino de Física, 12(3): 164–214. https://doi.org/10.5007/%25x

Newton I. (1687) Philosophiae Naturalis Principia Mathematica (Princípios Matemáticos da Filosofia Natural) (2010). Tradução J. Resina Rodrigues. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. 980 p.

Panza M. (2003) Newton. Paris: Les Belles Lettres. 270 p.

Raichvarg D. (1987) La didactique a-t-elle raison de s´interesser a l´histoire des sciences? Aster, 5: 3–34.

Ricardo E. (2005) Competências, Interdisciplinaridade e Contextualização: dos Parâmetros Curriculares Nacionais a uma compreensão para o ensino das ciências. Tese (Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina.

Ricardo E. (2012) Elementos Físicos e Matemáticos da Mecânica Analítica, a Relação entre as Duas Ciências e a Vigilância Epistemológica. Tese (Livre-Docência em Ensino de Ciências e Matemática). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Ricardo E. & Freire J. (2007) A Concepção dos Alunos sobre a Física do Ensino Médio: um estudo exploratório. Revista Brasileira de Ensino de Física, 29(2): 251–266. https://doi.org/10.1590/S1806-11172007000200010

Robilota M. (1988) O Cinza, o Branco e o Preto: da relevância da história da ciência no ensino de física. Caderno Catarinense de Ensino de Física, 5(número especial): 7–22.

Rosmorduc J. (1987) L´Histoire de la Physyque Peut-Elle Aclairer les Obstacles Epistemologiques? Aster, 5(3): 117–143.

Saltiel E. (1978) Concepts cinematiques et raisonnements naturels: étude de la comprehension de changements de referentiels galiléens par les étudiants en science. Thèse d´État. Université Paris 7 – Diderot, Paris.

Silva E., Teixeira E. & Penido M. (2018) Análise de Propostas Didáticas Orientadas por Abordagens Históricas. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 35(3): 766–804.

Teixeira E., Greca I. & Freire O. (2012) The History and Philosophy of Science in Physics Teaching: a research synthesis of didactic intervention. Science & Education, 21(6): 771–796. https://doi.org/10.1007/s11191-009-9217-3

Viennot L. (1977) Le raisonnement naturel en dynamique élemenaire. Thèse d´État. Université Paris 7 – Diderot, Paris.

Viennot L. (1979) Spontaneous reasoning in elementary dynamics. European Journal of Science Education, 1(2): 67–91.

Zanetic J. (1988) Dos “Principia” da Mecânica aos “Principia” de Newton. Caderno Catarinense de Ensino de Física, 5(número especial): 23–35.

Zylbersztajn A. (1983) Concepções espontâneas em física: exemplos em dinâmica e implicações para o ensino. Revista de Ensino de Física, 5(2): 3–16.

Zylbersztajn A. & Assis A. (1999) Sobre a Possível Realidade das Forças Fictícias: uma visão relacional da mecânica. Acta Scientiarum, 21(4): 817–822. https://doi.org/10.4025/actascitechnol.v21i0.3078




DOI: http://dx.doi.org/10.29215/pecen.v4i0.1506

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Autor e Revista mantêm os direitos da publicação

____________________________________________
Pesquisa e Ensino em Ciências Exatas e da Natureza
Unidade Acadêmica de Ciências Exatas e da Natureza - CFP - UFCG
Cajazeiras - PB, Brasil
(ISSN 2526-8236)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

INDEX COPERNICUS INTERNACIONAL

 

ICI WORLD OF JOURNALS