A AÇÃO DO DISCURSO PUBLICITÁRIO PARA ALÉM DAS RELAÇÕES ENTRE A PRODUÇÃO E O CONSUMO

João Batista Nascimento dos SANTOS, Marinês Andrea KUNZ

Resumo


A publicidade, como comunicação midiática, do mesmo modo que qualquer outro ato comunicativo, coloca em relação duas instâncias: a de produção e a de recepção. Nesse sentido, projeta um receptor ideal e, com base nessa projeção, elabora o enunciado, valendo-se de modos de organização discursiva que buscam a identificação com o receptor real. Este, por sua vez, a partir da recepção da peça publicitária, igualmente projeta uma imagem do emissor real, a cujo discurso adere ou não. O que a atividade linguageira pretende é, pois, a correspondência entre a imagem do receptor projetada pelo emissor e a do receptor real, de modo que a peça publicitária encontre acolhida e atinja, por fim, seu objetivo, que é influenciar o consumidor em suas intenções de compra. Para isso, a Dove emprega modos de organização discursiva veiculando peças publicitárias com o conceito de beleza real, cujo intento consiste justamente em sensibilizar mulheres que não se veem representadas no padrão de beleza comumente apresentado em grande parte dos comerciais, como também as que se sentem contempladas. O objetivo desta pesquisa é, pois, estudar o discurso publicitário como ato linguageiro, com base, principalmente, em estudos de Thompson (2002) e de Charaudeau (2006), e, por fim, analisar o comercial Dove. A beleza nos meus próprios termos, veiculado no YouTube, no que tange à construção discursiva e aos sentidos instaurados.

Palavras-chave: Publicidade. Discurso publicitário. Linguagem.


Texto completo:

PDF

Referências


AUSTIN, John Langshaw. Quando dizer é fazer. Porto Alegre: Artes Médicas: 1990.

CARVALHO, Cristiane Mafacioli. A Publicidade na atualidade: discussões sobre Gênero, Linguagem e Estratégias do Discurso Publicitário. Intercom, Fortaleza, CE, 2012. Disponível em: http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2012/lista_area_DT2-EL.htm. Acesso em: 20 jun. 2017.

CASAQUI, Vander. Por uma teoria da publicização: transformações no processo publicitário. Significação: Revista de Cultura Audiovisual, v. 38, n. 36, p. 131-151, 2011. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2011.70935. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/significacao/article/view/70935. Acesso em: 30 jul. 2019.

CASTRO, Maria Lília Dias de. Práticas publicitárias: o embaralhamento do discurso promocional. In: DUARTE, Elizabeth; CASTRO, M. Lília. (org.). Em torno das mídias: práticas e ambiências. Porto Alegre: Sulina, 2008.

CHARAUDEAU, Patrick. O discurso das mídias. São Paulo: Contexto, 2006.

CHARAUDEAU, Patrick. Uma análise semiolinguística do texto e do discurso. In: PAULIUKONIS, Maria Aparecida L.; GAVASSI, Sigrid (org.). Da Língua ao Discurso: reflexões para o ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007.

DOVE. A beleza nos meus próprios termos. Dove, 2015. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=3yNnWVgCJg8&feature=youtu.be. Acesso em: 2 ago. 2021.

MEIO E MENSAGEM. Real beleza de Dove completa dez anos. São Paulo, 23 de jan. de 2014. Disponível em: http://www.meioemensagem.com.br/home/comunicacao/2014/01/23/real-beleza-de-dove-celebra-10-anos.html. Acesso em: 3 ago. 2021.

PAULIUKONIS, Maria Aparecida L.; GAVASSI, Sigrid (org.). O discurso propagandista: uma tipologia. In: MACHADO, Ida Lucia; MELLO, Renato. Análises do Discurso Hoje, vol. 3. Rio de Janeiro: Nova Fronteira (Lucerna), 2010.

PIEDRAS, Elisa R. Fluxo Publicitário. Anúncios, produtores e receptores. Porto Alegre: Sulina, 2009.

PROPMARK. Dove mostra mulheres que superaram padrões de beleza. 2016. Disponível em: http://propmark.com.br/anunciantes/dove-mostra-mulheres-que-superaram-padroes-de-beleza. Acesso em: 2 ago. 2021.

THOMPSON, John B. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

TRINDADE, Eneus. Propaganda, identidade e discurso. Brasilidades midiáticas. Porto Alegre: Sulina, 2012.

WILLIAMS, Raymond. Cultura e materialismo. São Paulo: Editora UNESP, 2011.

XAVIER, Ismail. Cinema: revelação e engano. In: NOVAES, Adauto (org.). O olhar. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.




DOI: http://dx.doi.org/10.56814/lel.v6i2.1844

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


_________________________________________________________________

PROFLETRAS - CFP - UFCG
Todos os direitos reservados®

Siga-nos nas redes sociais: